Notícias da área jurídica

28 de novembro de 2013, às 07h46min

Advogado disponibiliza modelo de ação indenizatória contra o app Lulu

 

A polêmica desta semana nas mídias sociais está sendo, sem dúvidas, o aplicativo Lulu, com o qual mulheres podem avaliar homens e compartilhar com outras usuárias suas impressões. Logo que se popularizou, o app se tornou alvo de críticas e muitos homens já demonstraram insatisfação, pela exposição desautorizada.

 

Um exemplo é um estudante de Direito que entrou com uma ação contra o aplicativo e contra o Facebook (o app usa dados sincronizados com a rede social) na 2ª vara do Juizado Especial Cível de Vergueiro, em São Paulo. Ele pleiteia uma indenização de R$ 27 mil.

 

O advogado que representa o estudante no caso, Fabio Scolari - do escritório Scolari, Garcia & Oliveira Filho, disponibilizou o modelo de petição utilizado no caso. Está aí o provável ponto de partida para mais um capítulo dessa celeuma que promete grandes emoções. 

 

Clique aqui para ter acesso ao modelo da petição.

 

Fonte: Portal Administradores.com
Autor: Redação do Administradores.com
Categoria: Direito Civil

NOTÍCIAS MAIS LIDAS
27 de janeiro de 2015, às 16h47min
A Oitava Turma Especializada do TRF2 decidiu manter sentença que proíbe duas advogadas da Baixada Fluminense de distribuir panfletos e de fa...
09 de janeiro de 2015, às 10h48min
O síndico de um prédio em Contagem terá que indenizar quatro moradores em R$ 3 mil por danos morais, para cada um, por abuso de suas funções...
16 de janeiro de 2015, às 17h01min
A Justiça do Trabalho condenou no último dia 29 um empregado da Madeireira Pau Gigante Ltda a pagar mais de 9 mil reais em custas processua...
NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
02 de janeiro de 2015, às 15h45min
A 12ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo condenou a Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) a pagar inden...
02 de janeiro de 2015, às 15h48min
A Prefeitura de Ribeirão Preto foi condenada a pagar indenização por danos morais e materiais a um grupo de moradores da cidade que perdeu u...
05 de janeiro de 2015, às 09h46min
Caso o consumidor detecte defeito oculto em coisa móvel dentro de 180 dias após a aquisição, ele terá o prazo de 30 dias, a partir da verifi...