Sindicalista receberá indenização após equívoco veiculado por órgão de comunicação

Um órgão de comunicação indenizará uma líder sindical do sul do Estado após publicar informações equivocadas sobre suposto prejuízo suportado por ela em golpe aplicado por estelionatários a clientes da rede bancária da região. Os criminosos atacaram valores depositados em cadernetas de poupança e o jornal, ao traçar um perfil das vítimas, localizou a sindicalista.

Ela comentou que a entidade que presidia sofreu com o golpe, mas ressalvou que a situação não a alcançou na esfera pessoal, já que possuía menos de R$ 15 em sua conta. O matutino, entretanto, estampou que seu prejuízo alcançara R$ 100 mil. A mulher, de origem modesta, garantiu que nunca movimentou cifra como aquela e que, por dificuldades financeiras anteriores, recorreu a empréstimos, que estavam em processo de quitação. A reportagem, explica, causou-lhe prejuízo, visto que passou a ser vista como farsante por seus credores e por toda a sociedade.

“A realidade é que, se o repórter tinha por intenção publicar dados que inegavelmente alcançam a esfera de direitos de privacidade e intimidade da pessoa – como os dados de sua conta bancária -, então era imperioso que se certificasse da veracidade da informação e […] que coletasse, por escrito, o consentimento da entrevistada”, pontuou o desembargador Saul Steil, relator da apelação na 1ª Câmara Civil do TJ. A indenização por danos morais foi fixada em R$ 7,5 mil, em decisão unânime

Apelação n°. 0007939-45.2009.8.24.0075.

Responsável: Ângelo Medeiros – Reg. Prof.: SC00445(JP)
Textos: Américo Wisbeck, Ângelo Medeiros, Daniela Pacheco Costa e Sandra de Araujo
Fonte: Tribunal de Justiça de Santa Catarina

O dia que chegar, chegou. Pode ser hoje ou daqui a 50 anos. A única coisa certa é que ela vai chegar.

- Ayrton Senna