Uso de maconha por sócio durante reuniões resulta em rescisão indireta de contrato de supervisora

Uso de maconha por sócio durante reuniões resulta em rescisão indireta de contrato de supervisora
Créditos: charnsitr / Shutterstock.com

A Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho reconheceu a rescisão indireta do contrato de trabalho de uma supervisora de vendas da Go2 Design Informática Ltda., do Paraná, e condenou a empresa ao pagamento de R$ 3 mil de indenização por dano moral, em decorrência da conduta de um dos sócios que usava maconha no meio dos empregados. A situação foi considerada falta grave do trabalhador.

Na reclamação trabalhista, a supervisora alegou diversos motivos para a rescisão indireta, como o não pagamento de comissões e retenção da CTPS, mas, segundo ela, o “estopim” foi o comportamento do proprietário, que usava a droga inclusive em reuniões com a equipe. Além de não concordar com o uso, ela sustentou que se tornava usuária passiva contra a sua vontade, o que a levou a pedir dispensa.

O juízo do primeiro grau havia deferido os pedidos da empregada, mas o Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região (PR) inocentou o empregador da condenação, com o entendimento de que, apesar de testemunha confirmar a sua versão, não havia qualquer prova de que isso tivesse causado algum prejuízo à trabalhadora.

O relator do recurso da empregada ao TST, ministro Hugo Carlos Scheuermann, observou que, mesmo entendendo que é obrigação da empresa zelar por um ambiente saudável e que a demonstração do uso de entorpecentes no ambiente de trabalho seria fato grave suficiente para a rescisão indireta, o Tribunal Regional reformou a sentença por não verificar vício de consentimento no pedido de dispensa. Mas, segundo o relator, a discussão não diz respeito ao suposto vício de consentimento, mas, sim, ao direito da trabalhadora de considerar rescindido o vínculo de emprego quando o empregador não cumpre as obrigações contratuais.

No caso, a falta de cuidado com o ambiente do trabalho, a saúde, a higiene e a segurança dos seus trabalhadores caracteriza a falta grave prevista na alínea “d” do artigo 483 da CLT. O artigo 157 e a Convenção 155 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), por sua vez, dispõem que as obrigações decorrentes do contrato devem ser cumpridas na integralidade.

Dano moral

Para o relator, uma vez provada a omissão da empresa em relação à conduta do sócio, o dano moral dispensa comprovação, devendo a empresa pagar a indenização, nos termos do artigo 5o, inciso X, da Constituição Federal. O ministro assinalou que a empregada também foi acusada de furto sem prova. Por unanimidade, a Turma restabeleceu a sentença.

(Mário Correia/CF)

Processo: RR-112-35.2013.5.09.0002

Fonte: Tribunal Superior do Trabalho (TST)


Ementa:

AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA. DESCUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES DO CONTRATO DE TRABALHO. FALTA GRAVE DO EMPREGADOR. RESCISÃO INDIRETA. RECONHECIMENTO. 1. Na espécie, o Tribunal Regional, a despeito de entender que “o empregador tem obrigação de zelar por um ambiente de trabalho saudável e que a demonstração inequívoca do uso de entorpecentes no ambiente laboral seria fato grave suficiente para a rescisão indireta do contrato de trabalho”, afastou a rescisão indireta reconhecida pelo Juízo de Primeiro Grau. 2. Para o melhor exame da alegada violação do artigo 483, “d”, da CLT, prudente o provimento do agravo de instrumento para dar processamento ao recurso de revista. Agravo de instrumento conhecido e provido. RECURSO DE REVISTA. DESCUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES DO CONTRATO DE TRABALHO. FALTA GRAVE DO EMPREGADOR. RESCISÃO INDIRETA. RECONHECIMENTO. Na espécie, o Tribunal Regional, a despeito de entender que “o empregador tem obrigação de zelar por um ambiente de trabalho saudável e que a demonstração inequívoca do uso de entorpecentes no ambiente laboral seria fato grave suficiente para a rescisão indireta do contrato de trabalho”, afastou a rescisão indireta reconhecida pelo Juízo de Primeiro Grau. Registrou “que a reclamada demonstrou documentalmente que a reclamante solicitou a sua dispensa” e que a reclamante não obstante “tenha impugnado o referido documento, o fez sem qualquer fundamento” e não “trouxe argumentos para eventual vício de consentimento, qual seja, coação”. Assentou que “existindo documento que demonstre que a reclamante teve a iniciativa de rescindir o contrato de trabalho em razão de suposto ato faltoso do empregador, lhe compete o ônus de provar a nulidade do seu pedido de demissão por vício de consentimento”, o que não ocorreu na hipótese. Nesse sentido, concluiu que não tendo “a reclamante se desincumbindo de seu ônus probatório com relação à ocorrência de qualquer vício de consentimento, fica impossibilitado o reconhecimento da nulidade do pedido de demissão e, por via de consequência, o deferimento de verbas afetas à rescisão indireta do contrato de trabalho”. 2. Diferentemente do que concluiu o Colegiado de origem, a hipótese não envolve a análise de suposto vício de consentimento do pedido de demissão feito pela empregada, mas sim o seu direito de considerar rescindido o pacto laboral, dentre outras hipóteses, quando o empregador não cumprir as obrigações do contrato de trabalho (artigo 483, “d”, da CLT). 3. As obrigações decorrentes do contrato, notadamente a implantação e manutenção de um ambiente de trabalho saudável e seguro, devem ser cumpridas na integralidade pelo empregador. Esse é o teor do artigo 157 da CLT e da Convenção 155 da OIT. Nesse contexto, compete à empresa zelar por condições básicas de saúde, higiene e segurança do trabalho a fim de preservar a higidez física e mental do trabalhador durante a prestação dos serviços. 4. Na espécie, os pressupostos fáticos contidos nos autos demonstram que a reclamada, ao permitir que um dos sócios fizesse “uso de entorpecentes no ambiente laboral”, não cuidou do ambiente do trabalho e tampouco da saúde, higiene e segurança dos seus trabalhadores, recaindo, portanto, na falta prevista na alínea “d” do artigo 483 da CLT – descumprimento das obrigações do contrato de trabalho – caracterizadora da rescisão indireta. Violação do artigo 483, “d”, da CLT que se reconhece. Recurso de revista conhecido e provido. DANO MORAL. INDENIZAÇÃO. QUANTUM. USO DE ENTORPECENTES NO AMBIENTE DE TRABALHO. DESCUMPRIMENTO PELO EMPREGADOR DO DEVER DE ZELAR POR CONDIÇÕES BÁSICAS DE SAÚDE, HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO. 1. Quanto ao apontado dano moral oriundo do uso de entorpecentes por um dos sócios da empresa, consta da decisão regional que “embora a testemunha (…) confirme que o sócio da empresa se utilizava dos entorpecentes, não há qualquer prova de que a reclamante tenha se prejudicado em decorrência de tal circunstância”. 2. Uma vez provada a omissão da reclamada em relação à conduta de um dos sócios da empresa de utilizar entorpecentes no ambiente de trabalho, o dano moral, diferentemente do que concluiu o Tribunal Regional, é in re ipsa, ou seja, prescinde de comprovação. Logo, a responsabilidade civil subjetiva da empresa agravada e, por conseguinte, o dever se indenizar, nos termos do artigo 5, X, da Constituição Federal, demanda, apenas, a existência do ato ilícito culposo e do nexo causal, os quais estão evidenciados na hipótese, tendo em vista que não cumpriu o seu dever de zelar por condições básicas de saúde, higiene e segurança do trabalho a fim de preservar a higidez física e mental da empregada durante a prestação dos serviços, como dispõem o artigo 157 da CLT e a Convenção 155 da OIT. 3. No que se refere ao quantum indenizatório, diante das premissas fáticas consignadas – as quais demonstram que a empresa não cuidou do meio ambiente do trabalho -, do caráter punitivo pedagógico da medida e do bem jurídico lesionado, e, em observância aos princípios da proporcionalidade e da razoabilidade, entende-se devido, para fins de compensação do dano moral sofrido pela empregada, o valor de R$ 3.000,00 (três mil reais). Recurso de revista conhecido e provido. (TST – Processo: RR – 112-35.2013.5.09.0002 – Número no TRT de Origem: AIRR-112/2013-0002-09. Processo TRT – Referência: RO-203000/2013-0002-09. Órgão Judicante: 1ª Turma. Relator: Ministro Hugo Carlos Scheuermann. Recorrente(s): RAFAELA NADALIN BELOTTO. Advogado: Dr. Mateus Augusto Zanlorensi. Recorrido(s): GO2 DESIGN INFORMÁTICA LTDA. Advogado: Dr. Paulo Henrique Molina Alves)


Se vives de acordo com as leis da natureza, nunca serás pobre; se vives de acordo com as opiniões alheias, nunca serás rico.

- Sêneca

O dia que chegar, chegou. Pode ser hoje ou daqui a 50 anos. A única coisa certa é que ela vai chegar.

- Ayrton Senna