Homem é condenado a 17 anos e 6 meses prisão pela morte da ex-companheira

Crédito: areebarbar

O Conselho de Sentença do  2º Tribunal do Júri da Capital condenou a 17 anos e seis meses de prisão, em regime fechado, Nayron Vilar da Silva, pelo assassinato da ex-mulher, em 2016. A vítima foi agredida e sufocada pelo ex-companheiro, dentro da casa em que morava, com o filho de três anos, no Morro do Urubu, em Pilares, Zona Norte da cidade.

O acusado ainda escondeu o corpo da mulher embaixo da cama por 12 dias, onde foi encontrado pela polícia já em estado de putrefação. A juíza Tula Correa de Mello ressaltou que o crime foi cometido por violência doméstica e na sentença, apontou o perfil agressivo do acusado, mesmo durante o julgamento:

“Desfavorável, ainda, o fato de se tratar de comportamento agressivo reiterado, certo que as testemunhas narram agressões anteriores motivadas pelo comportamento violento em razão do gênero por parte do réu que mesmo em juízo revela traços machistas ao se referir à atitude da vítima como ´desafiadora´, como se a mesma fosse obrigada a ter qualquer submissão à sua pessoa” , apontou a magistrada.

A defesa apresentou recurso.

Processo: 0175678-65.2016.8.19.0001

Fonte: Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

Se vives de acordo com as leis da natureza, nunca serás pobre; se vives de acordo com as opiniões alheias, nunca serás rico.

- Sêneca

O dia que chegar, chegou. Pode ser hoje ou daqui a 50 anos. A única coisa certa é que ela vai chegar.

- Ayrton Senna