Homem é condenado a 35 anos de reclusão por matar grávida

112
Créditos: karanik yimpat/Shutterstock.com O Conselho de Sentença do Tribunal do Júri da Vara Única da Comarca de Epitaciolândia reconheceu que o acusado F. da S.P. praticou os crimes de homicídio qualificado por motivo torpe, emprego de arma de fogo e uso de recurso que dificultou a defesa da vítima. O réu matou a companheira, que estava grávida, após trancá-la em um quarto e atear fogo. Por isso, o juiz de Direito Clóvis Lodi, quem presidiu o julgamento, referente ao Processo n°0001086-05.2014.8.01.0004, fixou pena privativa de liberdade de 35 anos de reclusão, para ser cumprida em regime inicialmente fechado. O Juízo ainda condenou o réu a pagar R$ 20 mil de indenização em favor dos dois filhos da vítima. De acordo com a denúncia, apresentada pelo Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), o homem trancou a vítima em casa e ateou fogo na residência por conta de ciúmes. Os vizinhos ainda tentaram socorrer, mas não conseguiram derrubar a porta a tempo de salvar a mulher. Sentença Após o Conselho de Sentença reconhecer o réu como responsável de ter cometido os crimes de homicídio qualificado e provocar aborto sem consentimento da gestante, o juiz de Direito Clóvis Lodi avaliou as qualificadoras

Este conteúdo é restrito para usuários cadastrados do site e é GRÁTIS. Cadastre-se GRATUITAMENTE e tenha acesso já ao conteúdo. Se já for cadastrado, faça o login. Para novos usuários basta preencher o cadastro.

Login de usuários cadastrados