Depois do vazamento de dados de mais de 1,9 milhão de pessoas, MP cobra ação da Netshoes

535

Base de dados da loja foi atacada por um hacker, que conseguiu dados sigilosos dos clientes

A Netshoes teve sua base de dados atacada desde dezembro de 2017, quando um hacker conhecido como “DFrank” enviou documentos com dados sigilosos de mais de 1,9 milhão de usuários do site.

Por isso, o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios fará uma recomendação à Netshoes, que ela notifique os clientes a respeito do vazamento de dados.

Entre os vários dados que foram vazados, encontram-se nome completo, número do CPF, data da última compra, com seu respectivo valor, e data de nascimento, bem como a ordem de compra e da unidade de manutenção de estoque, que são dados internos da Netshoes.

O Ministério Público espera que a Netshoes avise seus clientes por meio de ligações telefônicas ou de cartas com aviso de recebimento (AR), de modo a garantir que eles tenham recebido a mensagem.

Recomendações do Ministério Público

Foram várias as recomendações que o Ministério Público fez à Netshoes. Entre elas, a empresa deve informar os clientes que foram afetados por essa brecha de segurança, de modo que possam tomar as medidas cabíveis para não serem prejudicados.

Além disso, também foi solicitado pelo MP que a empresa não pague nenhum eventual valor ao hacker que obteve os dados, o que se configuraria como um crime de fraude processual.

O Ministério Público informou a Netshoes que o descumprimento do informe aos clientes acarretará no ajuizamento de uma Ação Civil Pública por danos materiais e morais aos clientes.

A Netshoes tem, agora, 3 dias úteis para confirmar que recebeu a recomendação, bem como avisar se cumprirá ou não as determinações e quais serão as eventuais recusas.

A empresa afirmou que está em contato com o Ministério Público, para a tomada das medidas necessárias, e que tem a proteção dos dados dos clientes como um de seus compromissos mais sólidos.

Fonte oficial: Tecmundo

DEIXE UMA RESPOSTA