Advogado distribuiu queixa-crime contra marido de Procuradora do Ministério Público do Trabalho da PB

1
70

Advogado abre queixa-crime contra marido de Procuradora do Ministério do Trabalho da PBAdvogado já havia processado a Dra. Maria Edlene Lins Felizardo em função do mesmo imbróglio

O advogado Wilson Furtado Roberto entrou com uma queixa-crime contra Divino Felizardo, esposo da Dra. Maria Edlene Lins Felizardo, Procuradora do Ministério Público do Trabalho da Paraíba. As acusações imputadas são de calúnia, injúria e difamação.

O imbróglio decorre por ter dito que o advogado teria cometido crime de calúnia em desfavor do mesmo, o que seria inverdade, conforme informações obtidas no processo.

Tudo isso decorre de uma briga de vizinhos. Isso porque o casal, de forma rotineira, ouve música em volume elevado. Em protesto por esse comportamento, o advogado registrou uma reclamação no livro do condomínio Varandas do Atlântico.

Porém, no dia 21 de outubro de 2017, o sr. Divino, ao tomar conhecimento da reclamação promovida pelo seu vizinho, saiu de seu apartamento portando uma faca e proferindo impropérios contra o reclamante, segundo informações de outros condôminos.

Entre os xingamentos que puderem ser ouvidos por todo o prédio, Divino chamou o advogado de “frouxo”, “covarde, entre outras ofensas. O marido da Procuradora do Trabalho da PRT-13, ao chegar a varanda do seu apartamento no prédio Varandas do Atlântico, disse ainda, em alto e bom som, que o advogado não teria coragem de enfrenta-lo.

Visto o estado de alteração de Divino Felizardo, um condômino contatou o advogado por telefone, recomendando que ele não saísse de seu apartamento naquele momento. Como medida imediata, o reclamante ligou para a polícia. Em poucos minutos os policiais chegaram, mas não conseguiram abordar o senhor Divino Felizardo nem sua esposa Maria Edlene Lins Felizardo, que se trancaram em seu apartamento e não atenderam o chamado da portaria via interfone para que se apresentassem aos policiais militares que vieram atender a ocorrência policial.

Tal fato foi objeto de uma representação criminal perante a Polícia Civil e Ministério Público Estadual da Paraíba.

Histórico do caso

A esposa do político Divino Felizardo, a Dra. Maria Edlene Lins Felizardo, Procuradora do MPT-PB, já havia sofrido uma queixa-crime por parte do advogado ora vítima. Nesse caso, a briga decorreu de um desentendimento em um grupo de WhatsApp que ambos faziam parte. A discussão se desenrolou em torno do comportamento dos mesmos na sua defesa diante de um processo que tramitou na 3ª Vara Cível do Foro Regional de Jabaquara em São Paulo – TJSP.

Nesse caso, as acusações promovidas pelo advogado Wilson Furtado também são de injúria, calúnia e difamação. Para melhor entender o caso, você poderá acompanhar os autos das queixas-crime nos links abaixo:

Autos da queixa-crime Divino Felizardo

Autos da queixa-crime Maria Edilene Lins

Boletim de Ocorrência – Divino Felizardo