Registro de candidatura de Dilma Rousseff ao Senado é deferido

55
Créditos: CP DC Press / Shutterstock.com O registro da candidatura de Dilma Rousseff ao Senado, que teve 10 pedidos de impugnação de candidatos e partidos diversos, foi deferido pelo TRE-MG. Na decisão, o relator destacou que “não cabe a este Tribunal Regional Eleitoral, em sede de registro de candidatura, rever a decisão do Senado, que não impôs à requerente a inabilitação temporária para o exercício de função pública”. Ele ainda disse que a competência para discutir a legalidade e rever as consequências impostas à ex-presidenta é do Supremo Tribunal Federal. O magistrado se referia ao chamado “fatiamento” do impeachment de Dilma. A regra constitucional prevê a perda dos direitos políticos por oito anos, mas o Senado entendeu a regra deve ser compreendida em duas partes: a condenação por crime de responsabilidade (leva à perda do cargo) e perda dos direitos políticos. Para o Senado, as duas penas devem ser aplicadas separadamente, não sendo uma consequência automática da outra. O juiz Fonte Boa, em voto divergente, disse que o entendimento do Senado foi abusivo e contrariou a Constituição Federal ao sustentar que a inabilitação para o exercício de função pública pode ser dissociada da perda do cargo.  (Com informações do Consultor

Este conteúdo é restrito para usuários cadastrados do site e é GRÁTIS. Cadastre-se GRATUITAMENTE e tenha acesso já ao conteúdo. Se já for cadastrado, faça o login. Para novos usuários basta preencher o cadastro.

Login de usuários cadastrados
   
Cadastro de Novo Usuário
*Required field