App baseado em inteligência artificial rastreia sintomas para tratar doenças

114

App utilizará itens como auto-falantes do smartphone para análise.

inteligência artificial
Créditos: cyano66 | iStock

Uma empresa de tecnologia dos EUA está testando um aplicativo de inteligência artificial que pode escutar a tosse dos pacientes por meio dos alto-falantes do smartphone e analisar seu próprio catarro enviando fotos para o aplicativo.

Além disso, pode acompanhar a evolução do tratamento da doença fora do hospital, ajustá-lo em tempo real e alertar o médico se ele acha que o paciente está piorando. A tecnologia também permite que os pacientes se comuniquem com seu médico se estiverem preocupados com sua saúde e compartilharem dados e fotos com eles em tempo real.

Pacientes com problemas cardíacos adicionais seriam acompanhados por uma braçadeira estilo Fitbit, enquanto um respirador pode medir sua capacidade pulmonar. Em suma, o aplicativo ajuda a tratar a doença pulmonar obstrutiva crônica, causada principalmente pelo fumo e pela poluição do ar, que deve ser a terceira maior causa de morte no mundo até 2030, de acordo com a Organização Mundial de Saúde. A tecnologia será testada por dois grupos de pessoas na Suíça até o início deste ano.

O médico Thomas Brunschwiler é o pesquisador da IBM responsável por este projeto. Ele disse que o aplicativo é projetado para olhar tendências e mostrar aos médicos o progresso da doença através da compilação de grandes quantidades de dados, incluindo tipos e frequência de tosse, a cor de catarro ou desempenho cardíaco durante o exercício.

National Health Service (NHS) está de olho

O Departamento de Saúde dos EUA observam os resultados do estudo com interesse. O secretário de saúde Matt Hancock delineou uma visão tecnológica que incluiu uma reformulação dos sistemas digitais do NHS e melhor acesso à tecnologia para os pacientes.

Outros gigantes da tecnologia, como a Amazon,  também estão tentando adaptar a tecnologia atual para fornecer soluções de saúde. A gigante de varejo dos Estados Unidos patenteou uma nova versão de seu assistente virtual em 2018 que pode detectar automaticamente quando alguém está doente.

A iniciativa de usar a tecnologia para aliviar a pressão no sistema de saúde do Reino Unido envolve também o anúncio da abertura de cinco novos centros de tecnologia médica em 2019 que usarão IA para acelerar o diagnóstico de doenças.

Hancock disse que o NHS precisa adotar a IA “introduzindo sistemas que podem acelerar diagnósticos, melhorar os resultados dos pacientes e dar aos médicos mais tempo com seus pacientes”.

Um relatório do Instituto de Pesquisa de Políticas Públicas afirmou que a automação poderia salvar o NHS em até 10% de seu orçamento anual. (Com informações do Telegraph.)

DEIXE UMA RESPOSTA