Atrium levanta US$ 75 milhões de investidores em financiamento de risco

200

A Atrium se classifica como uma legaltech.

tecnologia
Créditos: Drical |iStock

A Atrium, escritório de advocacia que também se caracteriza como um negócio de desenvolvimento de tecnologia legal, já arrecadou cerca de US$ 75 milhões em financiamento de risco.

Apoiada pelo Vale do Silício, A Atrium acredita que os escritórios de advocacia devem ser administrados como empresas, o que significa que os novos parceiros investidores deverão participar da gestão. Não à toa, o negócio é observado de perto pelos concorrentes devido a esse modelo de negócios em duas frentes: escritório de advocacia e desenvolvedor de tecnologia legal apoiado por investidores (Atrium Legal Technology Solutions, Inc).

O escritório foi fundado pelo empreendedor Justin Kan há um ano e meio somente, e arrecadou em setembro de 2018 US$ 65 milhões em uma rodada de financiamento, liderada pela conceituada empresa de capital de risco Andreessen Horowitz. Hans Kim e Jon O’Connell são os primeiros novos parceiros da Atrium, de acordo com um memorando interno. As promoções significam que Kim e O’Connell deixarão de ser “gerentes gerais” e passarão a deter responsabilidades específicas de gerenciamento em toda a empresa.

No caso de Kim, ele é o líder em finanças e planejamento de modelos de negócios, enquanto O’Connell lidera o desenvolvimento profissional e a cultura.

Kim atuou como gerente geral da unidade de negócios da empresa, a Atrium Counsel, que fornece serviços jurídicos corporativos gerais. O’Connell teve o mesmo papel na unidade de negócios Atrium Financing da empresa.

De acordo com o memorando, Eles eram responsáveis ​​por tomar decisões sobre contratação e pessoal dentro dessas práticas, supervisionar e orientar os advogados mais jovens, gerenciar as demonstrações de lucros e perdas do grupo, e definir estratégias de preços, marketing e ofertas de produtos.

Para Augie Rakow, co-fundador da Atrium e ex-sócio da Orrick, Herrington & Sutcliffe, “o futuro da lei exige um novo padrão de excelência em gestão legal”.

A Atrium representa empresas emergentes em crescimento e oferece produtos com taxa fixa. Seu produto “Advogado”, por exemplo, fornece um advogado dedicado, paralegal e um assistente de prática para atuar como advogado interno de empresas emergentes em crescimento. Esses advogados lidam com a gestão, participam de reuniões do conselho, revisam contratos e aconselham sobre questões trabalhistas.

Kim trabalhou como gerente geral em diversos escritórios, atuando perto de desenvolvedores de software da empresa, focados na criação de plataformas que ajudem os advogados a trabalhar com mais eficiência. Para ele, “Isso é definitivamente parte do nosso plano: gerar eficiência e também oferecer um produto melhor [… “Escalando através de um melhor gerenciamento de processos e alavancando produtos de tecnologia, seja ferramentas internas ou ferramentas voltadas para o cliente, bem como na plataforma que estamos desenvolvendo.”

Ele aponta que foi “incrivelmente desafiador” construir um escritório de advocacia juntamente com aplicativos de software, especialmente devido à barreira de idioma entre advogados e desenvolvedores de software.

Para Kim, “é essencial que falemos a mesma língua e desenvolvamos os produtos certos para o mercado. Neste primeiro ano, nós nos concentramos principalmente em fazer com que esse [escritório de advocacia] decole, e acho que fizemos um trabalho incrível para chegar onde estamos. ”

Ainda assim, Kim disse que acha que a empresa tem uma vantagem no desenvolvimento de produtos de tecnologia legal, dada a proximidade entre advogados e engenheiros, que trabalham juntos na mesma sala, o que contribui para a comunicação otimizada.

Além do sucesso da própria empresa, Kim disse que seus clientes levantaram mais de meio bilhão de dólares em financiamento de capital de risco nos 18 meses de vida da Atrium. (Com informações do The American Lawyer)

DEIXE UMA RESPOSTA