Justiça do Trabalho pode decidir sobre recolhimento de previdência privada

55

Competência foi reconhecida por unanimidade pelo TST

Justiça do Trabalho pode decidir sobre recolhimento de previdência privada decidida em juízo. O entendimento unânime da Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) reformou sentença de segundo grau.

benefício previdenciário
créditos: pinkomelet shutterstock.com

A decisão partiu de uma reclamação trabalhista em que um eletricitário aposentado pedia a retenção, pela empregadora, das contribuições devidas à Fundação CEEE de Previdência Privada (Eletroceee) relativas às verbas deferidas na ação.

Para o juízo de primeiro grau, a fundação não era parte do processo e a complementação de aposentadoria não estava em discussão na ação.

O Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT4) manteve a decisão e argumentou que o entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF), reconhecido em repercussão geral, determina que demandas relativas à previdência privada são de competência da Justiça Comum.

Saiba mais:

Para o relator do recurso de revista, ministro Hugo Carlos Scheuermann, a decisão da corte regional violou o artigo 114 da Constituição Federal que prevê a competência da Justiça do Trabalho para julgar as ações oriundas da relação de trabalho.

Ele destacou que o caso não se trata de diferenças de complementação de aposentadoria, mas de recolhimento de contribuições devidas à entidade privada sobre as parcelas reconhecidas em juízo. Desta forma, não se aplica o RE 586.453.

Com a decisão o relator determinou que o processo retorne ao tribunal de origem.

RR-715-13.2014.5.04.0811

Clique aqui para ler a decisão.

Notícia produzida com informações da Assessoria de Imprensa do Tribunal Superior do Trabalho

DEIXE UMA RESPOSTA