Mediação nos processos de direito do consumidor nos serviços de transporte aéreo: eficiência na solução de conflitos em massa

124
Créditos: Vasyl Dolmatov | iStock O Direito sempre esteve em constante transformação, mas isso nunca foi tão evidente como nos dias de hoje, exigindo do advogado novos conhecimentos, novas estratégias e uma nova forma de pensar sua própria atuação. Nesse período de evolução acelerada e constante, o advogado que não se adaptar as mudanças pode perder espaço no mercado. Nesse cenário, os métodos alternativos de solução de conflitos ganham destaque e conquistam cada vez mais espaço, impulsionados sobretudo pelas novas tecnologias. Segundo dados fornecidos pelo Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupemec), do Tribunal de Justiça de São Paulo, de janeiro de 2012 a abril de 2017, a Justiça paulista homologou mais de meio milhão de acordos por meio de audiência de mediação e de conciliação. Desse percentual, quase duzentos mil foram acordos na seara cível e de consumo. Os números são impressionantes e evidenciam a necessidade de adaptação do advogado aos novos tempos. A litigiosidade e a coerção vêm cedendo espaço à cooperação e ao consensualismo, enquanto novos paradigmas que têm comprovado na prática sua efetividade. Atualmente, o TJSP conta com mais de 230 Centros Judiciários de Solução de Conflitos, os Cejuscs. A mediação de conflitos

Este conteúdo é restrito para usuários cadastrados do site e é GRÁTIS. Cadastre-se GRATUITAMENTE e tenha acesso já ao conteúdo. Se já for cadastrado, faça o login. Para novos usuários basta preencher o cadastro.

Login de usuários cadastrados