Deputado protocola pedido para abertura de CPI das criptomoedas voltada para pirâmides financeiras

418
Deputado protocola pedido para abertura de CPI das criptomoedas voltada para pirâmides financeiras | Juristas
Créditos: Freepik Company S.L.

O autor do PL 2303/2015, que regulamenta Bitcoin e criptomoedas no Brasil, Deputado Federal Aureo Ribeiro, protocolou um pedido de abertura da CPI das criptomoedas, com o objetivo de apurar golpes e pirâmides financeiros nessas operações.Ele ressalta que, na verdade, são crimes contra a economia popular.

O deputado pontua que as pirâmides financeiras baseadas em criptomoedas são problemas que atingem pessoas no Brasil inteiro: “É assustador o número de fraudes envolvendo Bitcoin e criptomoedas. Abrimos uma aba em nosso site para que pessoas que tiveram problemas com pirâmides financeiras contassem seus casos e recebemos um volume absurdo de relatos e solicitações de consumidores lesados em todo o Brasil (…) por isso estamos protocolando agora este pedido de abertura de CPI (…) até mesmo onde nasci, em Gramacho, Duque de Caxias fui abordado por um frentista que me contou ter perdido cerca de R$ 17 mil em uma destas pirâmides financeiras”.

O projeto de CPI das Criptomoedas de Ribeiro foi assinado por mais de 234 parlamentares, 63 assinaturas a mais do que o necessário para protocolar a medida. O Cointelegraph fez um levantamento que aponta que empresas como Unick Forex e Investimento Bitcoin devem entrar na investigação, se aprovada.

Aureo Ribeiro disse que eles estão recebendo um número excessivo de relatos, o que indica um grande trabalho da CPI, e orienta quem está com problemas no tema: “Quem tiver algum problema pode acessar o nosso site: www.deputadoaureo.com.br, acessar a aba indicada e fazer sua denúncia sobre pirâmides financeiras com criptomoedas”.

Após o protocolo do pedido, ele precisa ser aprovado pelos demais deputados. O autor do projeto, porém, entende que não encontrará problemas para abrir a CPI, dada a receptividade apresentada.

Em notícia do Cointelegraph, sócios da Wolf Trade Club, suposta pirâmide financeira, foram presos ontem (16) em Curitiba em virtude das operações da Polícia Civil do Estado, que também cumpre mandados de busca e apreensão de bens da empresa. 

Fonte: Cointelegraph Brasil

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA