Modelo de Contrarrazões ao Recurso Inominado pelo Recorrido

Contrarrazões - Recurso Inominado
Créditos: ilkercelik / iStock

Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito do ___° Juizado Especial Cível da Comarca de João Pessoa – Paraíba

 

Processo n° 0000000-00.0000.000.0000

 

FULANA DE TAL, já qualificada nos autos do processo em epígrafe, vem, tempestivamente, com respeito e acatamento, apresentar CONTRARRAZÕES ao manifestante protelatório RECURSO INOMINADO de fls., requerendo que se digne Vossa Excelência mandar processá-la para que suba a Egrégia Turma Recursal.

Termos em que,

Pede e espera deferimento.

João Pessoa/PB, 09 de março de 2084

[Local],      [dia] de [mês] de [ano]

 

– ASSINATURA –

Nome do Advogado

Advogado – OAB/XX 00.000

 

CONTRARRAZÕES AO RECURSO INOMINADO PELO RECORRIDO

 

PROCESSO: 0000000-00.0000.000.0000

ORIGEM: XXXX Juizado Especial Cível da Comarca de João Pessoa – Paraíba

RECORRIDA: FULANA DE TAL

RECORRENTE: XXX CELULAR S.A.

Egrégia Turma Recursal

Assiste toda razão o ilustre julgador “a quo”, quando, ao decidir, satisfez a pretensão da parte RECORRIDA, condenando a XXX CELULAR S.A. a pagar o valor de R$ 00.000,00 (xxx mil reais), referente às cobranças ilegais e, também, pelo dano moral sofrido, aludidos na exordial.

De tal modo, a respeitável sentença prolatada, que julgou procedente o pedido da parte Recorrida merece ser sustentada.

Houve bem o juízo “a quo”, quando, ao decidir, usou de cuidado, de sensibilidade, de aparato legal e jurisprudencial, para prover satisfatoriamente a pretensão autoral de ressarcimento aos danos materiais e morais sofridos pela senhora FULANA DE TAL, que foram causados, de forma e modo irresponsáveis, pela XXX CELULAR S.A.

SÍNTESE DO HISTÓRICO PROCESSUAL

A senhora Fulana de Tal é consumidora da XXX Celular S.A., sendo contratante de nove (09) grupos telefônicos.

Em agosto de 2011, a senhora Fulana de Tal, recebeu cobranças – indevidas – que se referem a cinco grupos (CÓPIA DAS FATURAS E COMPROVANTES DE PAGAMENTO EM ANEXO, “DOC 1 – PARTE 1” e “DOC 1 – PARTE 2”).

Constatando a cobrança errônea em suas faturas, a consumidora entrou em contato com o fornecedor, na tentativa de resolver o problema de forma amigável. Contudo, após passar mais de um ano entrando em contato com o fornecedor para explicar – detalhadamente – todo abuso que estava sofrendo, não obteve êxito. Conforme de faz demonstrar através dos 42 NÚMEROS DE PROTOCOLO de atendimento:

—– transcrição dos 42 números de protocolo —–

Conforme aconselhada pelo SAC do fornecedor, a consumidora efetuou o pagamento, excetuando os valores cobrados erroneamente; todavia, o fornecedor inseriu o nome da consumidora no cadastro do SPC/Serasa, pondo em risco a possibilidade de a consumidora continuar exercendo as suas atividades profissionais e, portanto, o seu sustento e da sua família (consulta disponibilizada pelo Sistema de Análises de Crédito – SAC BRASIL em anexo, DOC 2).

Após diversas tentativas de solucionar o problema amigavelmente e, insatisfeita com o descaso apresentado pelo fornecedor, a consumidora, desacreditada com a possibilidade de resolver seu problema de forma amigável, ingressou com uma reclamação na ANATEL, Protocolo 000000.2012 (Conforme documento em anexo, DOC 3), que passou a fiscalizar o procedimento adotado pelo fornecedor-recorrente através do protocolo de atendimento fornecido pela própria XXX CELULAR S.A., sob o número 0000000000000.

Em virtude do – enorme – período de tempo que a consumidora passou tentando resolver o seu problema de forma amigável, e, da incomensurável má vontade do fornecedor em ajustar o erro que havia causado e retirar o nome da consumidora do SPC/Serasa, é que o Meritíssimo – sabidamente – determinou o quantum indenizatório de 00.000,00 (xxx mil reais) baseado no dano material e moral sofridos, na boa fé apresentada pela consumidora e, também, na absurda ingerência apresentada pela XXX CELULAR S.A., que se negou a dar a consumidora o que seu por direito: sua integridade de viver como uma pessoa honesta, que lhe tinha sido retirada desde que a XXX CELULAR S.A., de forma e modo irresponsável, inseriu o nome da consumidora no SPC/Serasa.

DA MANUTENÇÃO DA RESPEITÁVEL SENTENÇA

A empresa recorrente, na página 4 e seguintes do recurso inominado, afirma que a consumidora está tentando se esquivar de suas obrigações, pois todas as cobranças indevidas eram normalmente cobradas pela empresa supramencionada; aduz ainda que a consumidora, em nenhum momento conseguiu provar que estava sofrendo abusos.

Ora, a consumidora apresentou provas documentais e também 42 números de protocolo de gravações de atendimento; além disso, conforme foi explanado na peça inicial, a consumidora-recorrida, após constatar cobranças indevidas referentes aos grupos contratados junto ao fornecedor-recorrente, entrou em contato com o Serviço de Atendimento da XXX CELULAR S.A., na tentativa de resolver o problema de forma amigável.

Nas gravações dos atendimentos do SAC da XXX CELULAR S.A., que podem ser facilmente detectadas através dos 42 (QUARENTA E DOIS) NÚMEROS DE PROTOCOLO DE ATENDIMENTO que foram apresentados na peça inicial, a empresa assume que as cobranças estão com erro e aconselha a consumidora a efetuar o pagamento, excetuando os valores que haviam sido cobrados erroneamente.

A consumidora pagou somente aquilo que era devido, todavia, o fornecedor inseriu o nome da consumidora no cadastro do SPC/Serasa, deixando a consumidora prejudicada e desassistida de forma e modo irresponsável.

A empresa recorrente, portanto, prejudicou a consumidora-recorrida, por todos os meios que pode, deixando-a desassistida e negativada por mais de um ano, mesmo sendo a única culpada pelos prejuízos sofridos pela consumidora.

 DA ILEGALIDADE DO PROCEDIMENTO ADOTADO PELA PROMOVIDA

1- O fornecedor inseriu cobranças indevidas nas contas da consumidora.

2- A consumidora foi aconselhada pelo SAC do fornecedor a não efetuar o pagamento daquilo que foi cobrado indevidamente; contudo, o fornecedor, insatisfeito em não receber o valor que implantou indevidamente nas faturas, inseriu o nome da consumidora nos cadastros dos órgãos de proteção ao crédito.

3- O fornecedor, em contestação apresentada em juízo, afirma que não inseriu o nome da consumidora em nenhum cadastro, afirma ainda que a consumidora é inadimplente e desonrou as prerrogativas de devedora e quebrou contrato. O que, sabemos, é inverdade.

Ora, pelos motivos narrados e comprovados com documentos (pelos protocolos de atendimento fornecidos pela própria XXX, e, também, documentos emitidos pelo Serasa Experian e SPC-JP, todos anexos à petição inicial), é cristalino as ilegalidades cometidas pela empresa XXX CELULAR S.A. em face da consumidora FULANA DE TAL, bem como, também, um ataque frontal a legislação consumerista brasileira.

O fornecedor cometeu lesão a um bem jurídico que é intrínseco à personalidade da consumidora.

“Podemos entender como sendo dano moral, a lesão a uma bem jurídico que é intrínseco à personalidade do consumidor. Por exemplo: a honra, a integridade psicológica, a imagem, a saúde. O dano moral (lesão a um bem jurídico que é intrínseco à personalidade) tem como consequência, produzir no consumidor um sentimento negativo de dor, tristeza, vergonha, vexame, humilhação etc.

A inscrição indevida do consumidor em um banco de dados de proteção ao crédito gera a obrigação de indenização por danos morais. É de bom alvitre, ainda, frisar que em um caso desse tipo, estamos diante de um DANO MORAL PURO, que é aquele que atinge diretamente a dignidade do consumidor.

Neste tipo de situação, independe que o consumidor tenha efetivamente sofrido qualquer restrição, pois já houve o nexo causal, a infração da Lei.” (Extraído do livro: NORAT, Markus Samuel Leite. Direito do Consumidor. Leme São Paulo: Edijur, 2012. Página 229.).

DO DANO MORAL COMETIDO PELO FORNECEDOR-RECORRENTE

A Constituição Federal de 1988, no art. 5º, inciso X, assegura o direito de indenização pelo dano moral decorrente de violação à intimidade, à vida privada, à honra e à imagem das pessoas. A pretensão da promovente também está sob a proteção da Lei Civil e do Código do Consumidor brasileiro:

Código Civil – Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito.

Código Civil – Art. 927. Aquele que, por ato ilícito (art. 186 e 187), causar dano a outrem, fica obrigado a repará-lo.

Código de Defesa do Consumidor – Art. 6°, VI. São direitos básicos do consumidor: (…) a efetiva prevenção e reparação de danos patrimoniais e morais, individuais, coletivos e difusos.

Código de Defesa do Consumidor – Art. 35. Se o fornecedor de produtos ou serviços recusar cumprimento à oferta, apresentação ou publicidade, o consumidor poderá, alternativamente e à sua livre escolha: (…) III – rescindir o contrato, com direito à restituição de quantia eventualmente antecipada, monetariamente atualizada, e a perdas e danos.

Devemos ressaltar que no presente caso estamos diante de um DANO MORAL PURO, que é aquele que atinge diretamente a dignidade do consumidor; o Código de Defesa do Consumidor tem como política de aplicação das relações de consumo a Dignidade da pessoa humana, assim sendo, basta o nexo causal, a infração da lei para a caracterização do DANO MORAL PURO; QUE PRECISARA SER MAJORADO EM VIRTUDE DA INCOMENSURÁVEL MÁ-FÉ APRESENTADA PELO FORNECEDOR-RECORRENTE.

     “A inscrição indevida do consumidor em um banco de dados de proteção ao crédito gera a obrigação de indenização por danos morais.

É de bom alvitre, ainda, frisar que em um caso desse tipo, estamos diante de um DANO MORAL PURO, que é aquele que atinge diretamente a dignidade do consumidor.

     Neste tipo de situação, independe que o consumidor tenha efetivamente sofrido qualquer restrição, pois já houve o nexo causal, a infração da Lei. Estamos diante de um dano moral puro, que atinge diretamente a dignidade do consumidor.

     O dano moral puro não carece de prova do real reflexo patrimonial, é suficiente, para tanto, apenas a comprovação do ato ilícito e do nexo de causalidade, bem como presumidos os efeitos nefastos na reputação do ofendido. A prova de dano moral nestes casos se satisfaz com a existência da conduta irregular. Não sendo necessário que o consumidor, por exemplo, pegue uma certidão constando a restrição ao crédito sofrida.

     Conforme entendimento do Tribunal de Justiça da Paraíba: O dano moral puro ou objetivo não necessita de prova do efetivo reflexo patrimonial, sendo suficiente a comprovação do ato ilícito e do nexo de causalidade, bem como presumidos os efeitos nefastos na honra do ofendido. A indenização por dano moral não tem finalidade de obtenção de lucro ou de qualquer vantagem financeira, tendo por objetivo, isto sim, o de reparar de forma sensata os danos morais efetivamente ocasionados pelo ofensor. (TJPB – Apelação Cível nº 888.2002.0017 – 1ª Câmara Cível – Rel. Des. Jorge Ribeiro Nóbrega – j. 20/06/ 2002).

Extraído do livro:

NORAT, Markus Samuel Leite. Direito do Consumidor. São Paulo: Edijur, 2012. p. 229.

QUANTUM INDENIZATÓRIO BASEADO NO EFEITO PEDAGÓGICO E DESENCORAJADOR À PRÁTICA DE NOVOS ATAQUES AOS DEMAIS CONSUMIDORES

Não podendo deixar de enfatizar que a condenação do promovido ao pagamento de indenização por danos morais face o constrangimento causado a consumidora, em virtude de suas condutas irregulares e/ou ilegais, é de extrema importância para conferir-lhes o efeito pedagógico e desencorajamento a prática de novos ataques semelhantes aos demais consumidores brasileiros (o que é muito importante, pois, sabemos todos, que recentemente o recorrente teve suas operações suspensas pela ANATEL em virtude de desrespeito aos consumidores).

Portanto, acompanhando entendimento proferido em sentença pelo juiz Luiz Antonio Alves Bezerra, de acordo com a inoperância recalcitrante do fornecedor em resolução de problemas ínfimos, bem assim pela finalidade pedagógica e profilática para evitar novas reincidentes, em que sempre reincidem, em vista, quem sabe, da parcimônia dos magistrados no duplo grau de jurisdição, em banalização e tarifação do dano moral em quantias ínfimas, a trazer, conquanto, a chamada ditadura da litigância, em face de que, para a empresa, é mais congruente pagar tais indenizações pífias do que prestar razoável, adequado e congruente serviço aos consumidores, importante se faz que a condenação do fornecedor ao pagamento de indenização por danos morais sirva com o efeito pedagógico e desencorajador à prática de novos ataques semelhantes aos demais consumidores brasileiros, pois, os fornecedores somente darão a devida atenção as suas responsabilidades para com os consumidores, quando sentirem no bolso os efeitos dos grosseiros erros que cometem contra os consumidores e contra a legislação brasileira em vigor. Além disso, tal indenização deve ser corrigida monetariamente até a data efetiva do pagamento, com os juros legais a partir da citação do promovido.

DO PEDIDO E DOS REQUERIMENTOS

Ante o exposto, pede e requer:

1) Que sejam deferidos os benefícios da Justiça Gratuita, com fulcro na Lei nº 1.060/50 e nos artigos 82 e 98 do CPC, por não ter condições de arcar com as custas processuais e honorários advocatícios sem prejuízo do próprio sustento e de sua família;

2) Que esta Egrégia Turma, no mérito, julgue pelo DESPROVIMENTO TOTAL DO PRESENTE RECURSO, uma vez que as alegações da Recorrente são totalmente IMPROCEDENTES, mantendo a sentença do juízo a quo., em todos os seus termos;

3) A condenação da parte RECORRENTE ao pagamento das custas e honorários advocatícios na monta de 20% (vinte por cento) sobre o valor da causa.

Termos em que,

Pede e Espera Deferimento

João Pessoa/PB, 09 de março de 2084

[Local],      [dia] de [mês] de [ano]

 

– ASSINATURA –

Nome do Advogado

Advogado – OAB/XX 00.000

Artigo anteriorModelo de Petição Para Informar Que Não Possui Condições para Arcar Com os Honorários do Perito
Próximo artigoModelo de Contrato de Profissional em Administração
Markus Samuel Leite Norat
Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais; Pós-Graduação em Direito do Consumidor; Pós-Graduação em Direito Eletrônico; Pós-Graduação em Direito Civil, Processo Civil e Direito do Consumidor pela UNIASSELVI - Centro Universitário Leonardo da Vinci - ICPG - Instituto Catarinense de Pós Graduação; Pós-Graduação em Direito de Família; Pós-Graduação em Direito do Trabalho e Direito Processual do Trabalho pela ESA-PB - Escola Superior da Advocacia da Paraíba - Faculdade Maurício de Nassau; Pós-Graduação em Direito Ambiental pelo Centro Universitário de João Pessoa - UNIPÊ; Extensão universitária em Direito Digital pela Escola Paulista da Magistratura do Tribunal de Justiça de São Paulo; Extensão universitária em Didática Aplicada pela UGF; Extensão universitária em Novas Tecnologias da Aprendizagem: Novas Plataformas pela UGF; Extensão universitária em Políticas Educacionais pela Universidade Gama Filho; Extensão universitária em Aspectos Filosóficos pela UGF; Curso de Capacitação em Direito do Consumidor VA pela Escola Nacional de Defesa do Consumidor - ENDC-DPDC-SENACON-Ministério da Justiça; Curso de Proteção de Dados Pessoais pela ENDC; Curso de Defesa da Concorrência VA pela ENDC; Curso de Crimes Contra as Relações de Consumo pela ENDC; Curso para o Jovem Consumidor pela ENDC; Curso de Formação de Tutores 1 DC pela ENDC; Curso de Formação de Tutores 2 DC pela ENDC; Curso de Práticas Eleitorais pela Escola Superior de Advocacia da OAB PB; Advogado; Coordenador do Departamento de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão das Faculdades de Ensino Superior da Paraíba - FESP Faculdades; Professor do Centro Universitário de João Pessoa - UNIPÊ; Professor do Departamento de Pós-Graduação da Fundação Escola Superior do Ministério Público da Paraíba; e Professor da Escola Nacional de Defesa do Consumidor do Ministério da Justiça.

DEIXE UMA RESPOSTA