LGPD: Estudante questiona política de proteção de dados de empresa de bilhetagem em PE

36
LGPD: Estudante questiona política de proteção de dados de empresa de bilhetagem em PE | Juristas
Cyber security network. Padlock icon and internet technology networking. Businessman protecting data personal information on tablet and virtual interface. Data protection privacy concept. GDPR. EU.

Com base na Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais um estudante de Recife -PE acionou a Justiça pelo direito da usar o bilhete eletrônico de transporte público “VEM Estudante”, sem realizar cadastramento de biometria facial. Ele alega que o impedimento do uso do cartão sem os devidos esclarecimentos sobre a política de dados da operadora do sistema desrespeita o artigo 1 da LGPD.

“Esta Lei dispõe sobre o tratamento de dados pessoais, inclusive nos meios digitais, por pessoa natural ou por pessoa jurídica de direito público ou privado, com o objetivo de proteger os direitos fundamentais de liberdade e de privacidade e o livre desenvolvimento da personalidade da pessoa natural.”

O reclamante também argumenta que a classificação do dado biométrico como sensível não deriva apenas da lei, “mas à própria proteção que deve ter o seu fornecimento, já que é a biometria que consegue nos identificar como indivíduos”.

O advogado, que representa o estudante na ação, afirma que a questão é abrangente, já que muitas empresas ainda não estão preparadas para obedecer a LGPD. “O direito à intimidade e à proteção de dados é reconhecido já como um direito fundamental, já presente na legislação consumerista, e a LGPD veio para dar força a sua aplicação”, justifica.

Entre os pedidos formulados na inicial está o recadastramento imediato sem a biometria facial até que a ação seja julgada e citação das partes demandadas.

DEIXE UMA RESPOSTA