Município deve custear fraldas para pessoa com deficiência

Direito do Servidor Público
Créditos: audioundwerbung / iStock

A Décima Primeira Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve a liminar, que determinou que a Prefeitura de Rio Grande da Serra fornecesse 90 fraldas por mês para pessoas com deficiência que não podem pagar.

O autor sofre de paralisia cerebral e retardo mental, está acamado, não consegue realizar atividades fisiológicas normais e precisa usar fraldas para adultos continuamente. Como não tinha como arcar com essas despesas, ele recebia mensalmente as fraldas do município para manter a higiene, mas o fornecimento foi interrompido repentinamente.

Para o desembargador Jarbas Gomes, Relator de Recursos, a decisão busca refletir um dos fundamentos do Estado Democrático de Direito, ou seja, a dignidade humana (art. 1º, § 3º da Constituição Federal), garantindo assim a proteção de direitos. A vida e a saúde dos cidadãos.  “Sobre o fornecimento de medicamentos e insumos, o artigo 196 da Constituição Federal define a saúde como direito público subjetivo do cidadão e dever do Estado, sendo, portanto, injustificável que a Administração procure eximir-se do encargo sob quaisquer pretextos. Desde que comprovadas a necessidade do medicamento, do insumo ou da terapia e a impossibilidade de o paciente de custeá-los, é dever do Estado supri-los integralmente”, escreveu o magistrado em sua decisão.

Com informações do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

 

 

 

Fique por dentro de tudo que acontece no mundo jurídico no Portal Juristas, siga nas redes sociais: FacebookTwitterInstagram e Linkedin. Adquira sua certificação digital e-CPF e e-CNPJ na com a Juristas Certificação Digital, entre em contato conosco por email ou pelo WhatsApp (83) 9 93826000

DEIXE UMA RESPOSTA