Operadora vai indenizar cliente que teve nome incluído em órgãos de proteção ao crédito

não contratado
Créditos: Monthira Yodtiwong

Por unanimidade, a 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB) manteve,  sentença do Juízo da 8ª Vara Cível da Comarca de João Pessoa, condenando a operadora de telefonia Oi Móvel S/A  por incluir nome de cliente em órgãos de proteção ao crédito.

O Juízo de 1º Grau julgou parcialmente procedente a ação indenizatória por danos morais, determinando a exclusão da negativação indevida e condenando a empresa ao pagamento na importância de R$ 3 mil, por danos morais. A operadora recorreu alegando que a linha reclamada permaneceu ativa no período de 03/11/2015 a 27/08/2016, encontrando-se atualmente cancelada, e sem qualquer negativação da parte autora.

Em seu voto o desembargador Leandro dos Santos, relator da apelação (0815330-60.2019.8.15.2001 ) ressaltou que não restando comprovação o do contrato que deu origem a inscrição negativa, tem-se por inexistente a relação jurídica havida e, em consequência indevida a restrição.

“Dessa forma, emerge a conclusão de que o contrato contraído em nome da parte autora decorre de fraude, presumindo-se, daí, que a empresa ré tenha agido com negligência ao não adotar as cautelas necessárias previamente à celebração da avença irregular”, disse em sua decisão.

Com informações do Tribunal de Justiça da Paraíba.

 

 

Fique por dentro de tudo que acontece no mundo jurídico no Portal Juristas, siga nas redes sociais: FacebookTwitterInstagram e Linkedin. Adquira sua certificação digital e-CPF e e-CNPJ na com a Juristas Certificação Digital, entre em contato conosco por email ou pelo WhatsApp (83) 9 93826000

DEIXE UMA RESPOSTA