Jogador Marcinho vira réu por atropelamento que matou casal de professores

atropelamento
Créditos: Toa55 | iStock

Foi aceita pela 34ª Vara Criminal do Rio a denúncia do Ministério Público estadual contra o jogador Márcio Almeida de Oliveira, o Marcinho, ex-lateral direito do Botafogo, pelo atropelamento que matou os professores Maria Cristina José Soares e Alexandre Silva de Lima. O acidente aconteceu na noite do dia 30 de dezembro de 2020, quando o casal atravessava a Avenida Lúcio Costa, no Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste da cidade.

A partir de agora, marcinho passa a condição de réu em ação penal pela prática de crime de homicídio culposo na direção de veículo. De acordo com a denúncia, há ainda o agravante de Marcinho não ter parado para prestar socorro às vítimas.

Ainda conforme a denúncia, minutos antes do atropelamento, segundo o MP, ele guiava o seu veículo, um Mini Cooper, de forma imprudente, em zigue-zague, na pista sentido Barra da Tijuca, movimentada no momento do fato, numa velocidade compreendida entre 86km/h e 110km/h. A velocidade máxima permitida na via é de 70km/h. Depois do atropelamento, o carro foi abandonado a Rua Professor Hermes Lima.

também consta na denúncia, que no dia do acidente, entre as 11h e 13h30, Marcinho esteve no restaurante Rei do Bacalhau, no bairro do Encantado, na Zona Norte, onde consumiu bebida alcoólica, ingerindo, ao menos, cinco tulipas de chopp.

O juiz Rudi Loewenkron assinalou que “a inicial acusatória descreve adequadamente a conduta delituosa atribuída ao agente e encontra elementos indicativos de autoria e materialidade nos autos do inquérito policial que a instrui”. E determinou a citação e intimação do jogador para apresentar defesa.

Com informações do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro.

 

 

Fique por dentro de tudo que acontece no mundo jurídico no Portal Juristas, siga nas redes sociais: FacebookTwitterInstagram e Linkedin. Adquira sua certificação digital e-CPF e e-CNPJ na com a Juristas Certificação Digital, entre em contato conosco por email ou pelo WhatsApp (83) 9 93826000

DEIXE UMA RESPOSTA