Ex-funcionária de cooperativa de crédito nos EUA apaga 21 GB de dados e pode ser presa

Segurança dos dados da web
Créditos: thomaguery / iStock

Em um ato de vingança por ter sido demitida, Juliana Barile, ex-funcionária de uma cooperativa de crédito de Nova York, se declarou culpada de acesso aos computadores da empresa sem autorização, destruindo mais de 21 GB de dados.

Segundo os autos do processo, a ré trabalhou remotamente como empregada de meio período para a cooperativa de crédito até 19 de maio de 2021, quando foi demitida.

De acordo com o Procurador em exercício Jacquelyn M. Kasulis, ela “excluiu pedidos de empréstimo hipotecário e outras informações confidenciais”.

Embora um funcionário de uma cooperativa de crédito tenha pedido à empresa de suporte de TI do banco para desativar as credenciais de acesso remoto de Barile, o acesso não foi removido. Dois dias depois, ela logou no sistema por cerca de 40 minutos, excluindo mais de 20.000 arquivos e cerca de 3.500 pastas durante esse período, totalizando cerca de 21,3 gigabytes de dados armazenados na unidade de compartilhamento da empresa de crédito.

Cinco dias após a invasão e exclusão dos arquivos, ela mandou uma mensagem para um amigo se vangloriando sobre o fato. “Eles não revogaram meu acesso, então eu apaguei [. .] Excluí seus documentos de rede compartilhados. ”

Além de excluir documentos com dados de clientes e empresas, e arquivos relacionados ao software de proteção anti-ransomware da instituição, Barile também abriu diversos documentos confidenciais do Word, incluindo arquivos com atas de diretoria para a cooperativa de crédito. Todos foram apagados.

Embora a cooperativa de crédito de Nova York tivesse backups de alguns dos dados excluídos pelo réu, ainda teve que gastar mais de US $ 10.000 para restaurar os dados destruídos após a invasão não autorizada de Barile.

“A Sra. Barile pode ter pensado que estava se vingando de seu empregador ao deletar arquivos, mas ela causou o mesmo dano aos clientes”,  acrescentou Driscoll, Diretor Assistente do FBI. “Sua vingança mesquinha não só criou um enorme risco de segurança para o banco, mas os clientes que também dependiam de papelada e aprovações para pagar por suas casas ficaram em dificuldades.

Como se declarou culpada perante a corte federal do Brooklyn, a sentença de Juliana Barile pode ser de até 10 anos de prisão.

Com informações do Canaltech e Bleepingcomputer.


Fique por dentro de tudo que acontece no mundo jurídico no Portal Juristas, siga nas redes sociais: FacebookTwitterInstagram e Linkedin. Participe de nossos grupos no Telegram e WhatsApp. Adquira sua certificação digital e-CPF e e-CNPJ na com a Juristas Certificação Digital, entre em contato conosco por email ou pelo WhatsApp (83) 9 93826000

DEIXE UMA RESPOSTA