Justiça condena quadrilha que explorava jogo do bicho e máquinas caça-níquel

TJ confirma condenação de ex-delegado por facilitar prostituição e jogos de azar
Créditos: welcomia/Shutterstock.com

A justiça mineira condenou integrantes de uma organização criminosa que exploravam cerca de cem pontos de jogo do bicho e de máquinas de caça-níquel na capital e em outras seis cidades. De acordo com a decisão do juiz da 8ª Vara Criminal de Belo Horizonte, Luís Augusto César Barreto Fonseca, sete membros da quadrilha vão cumprir pena que variam de 12 anos e 9 meses a 13 anos e 5 meses de prisão.

As atividades praticadas pelos acusados foram descobertas durante a Operação Camaleão, deflagrada pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) com apoio da inteligência da Polícia Militar (PM).

esquema de corrupção
Créditos: Kritchanut | iStock

Durante as ações de buscas e apreensões realizadas pela PM, foram apreendidas armas, valores em dinheiro, bilhetes de jogo do bicho e documentos, comprovando contabilidade minuciosa das bancas dos jogos de azar, lista de lojas e rota de recolhimento de valores e faturamento.

Por meio de interceptações telefônicas autorizadas pela Justiça foram reveladas ainda a atuação de cada integrante da quadrilha e a relação deles com os delitos. “Foram colhidas provas robustas do envolvimento de todos os acusados nos crimes imputados. O envolvimento dos acusados com o grupo foi confirmado por incontáveis elementos de prova”, ressaltou o magistrado.

au
Créditos: Freepik Company S.L.

A defesa dos acusados alegou que os crimes já haviam sido prescritos. No entanto, juiz Luís Augusto Fonseca argumentou que a denúncia foi recebida em novembro de 2017 e que não venceu nenhum dos prazos prescricionais.

Os réus foram condenados por integrar organização criminosa, por explorar jogo do bicho e máquinas de azar e por corrupção ativa, pelo pagamento de vantagens a policiais militares que teriam facilitado a exploração dos jogos ilícitos.

organização criminosa
Créditos: garloon / Envato Elements

Os condenados vão cumprir a pena em regime fechado, mas receberam o direito de recorrer da decisão em liberdade. Dois policiais militares denunciados pelo Ministério Público como integrantes da quadrilha tiveram o processo desmembrado e serão julgados separadamente pela Justiça Militar.

Com informações do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais.


Fique por dentro de tudo que acontece no mundo jurídico no Portal Juristas, siga nas redes sociais: FacebookTwitterInstagram e Linkedin. Participe de nossos grupos no Telegram e WhatsApp. Adquira sua certificação digital e-CPF e e-CNPJ na com a Juristas Certificação Digital, entre em contato conosco por e-mail ou pelo WhatsApp (83) 9 93826000

DEIXE UMA RESPOSTA