TJTO mantém ação de aposentado contra empresa por cobrança indevida de seguro de vida

seguro de vida em grupo
Créditos: Jirsak | iStock

Por unanimidade, a 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Tocantins (TJTO) determinou a continuidade do processo de um aposentado contra empresa por cobrança indevida de plano de seguro de vida.

O beneficiário, Antonio Barbosa Reis (81), nascido e que mora atualmente em Pium (135 km de Palmas, no sul do Estado) alega, conforme o processo (0002522-18.2020.8.27.2735), que em novembro de 2019, “ao analisar seu extrato bancário, a parte autora foi surpreendida ao perceber que a parte requerida havia feito indevidamente, em seu nome, um Seguro de Vida, que foi debitado em sua conta bancária, com parcelas no valor de R$ 27,30”.

Seguro garantia judicial não perde eficácia por ter prazo de validade determinado
Créditos: Michał Chodyra | iStock

A defesa de Reis pede, além do ressarcimento, indenização de R$ 20 mil contra a empresa Contese Consultoria Técnica de Seguros e Representações – EPP.

Em primeira instância o processo foi extinto com o entendimento de que o interessado não havia buscado a resolução do problema pelas vias administrativas.

Publicadas súmulas aprovadas pela Primeira Seção do STJ sobre dívida ativa, corretoras de seguro e IPVA
Créditos: Billion Photos / Shutterstock.com

Segundo o relator, desembargador Eurípedes Lamounier, o requerente ingressou com a ação “alegando a ocorrência de cobrança em sua conta bancária de parcelas referentes a seguro de vida, o qual, segundo afirma, não contratou, intentando além do reconhecimento deste fato, obter indenização por danos morais, bem como a restituição em dobro dos valores indevidamente descontados”.

Segundo ele o requerente recorreu ao judiciário na busca de seu direito, não havendo como se falar em falta de interesse processual. “Desta feita, outro caminho não há, senão reconhecer a existência de nulidade no julgamento a macular a sentença recorrida, ensejando assim a desconstituição do julgamento proferido no primeiro grau”.

Seguradora não terá de indenizar herdeira omitida por avós que receberam o seguro
Créditos: Billion Photos / Shutterstock.com

Em seu voto, o magistrado pontuou, “voto no sentido de conhecer do recurso manejado e, no mérito, dar-lhe provimento, a fim de desconstituir a sentença e determinar o retorno dos autos à origem para o regular prosseguimento do feito”, concluiu.

A matéria agora retorna à origem, com prosseguimento de sua tramitação, como votou o relator.

Com informações do Tribunal de Justiça do Estado do Tocantins.


Fique por dentro de tudo que acontece no mundo jurídico no Portal Juristas, siga nas redes sociais: FacebookTwitterInstagram e Linkedin. Participe de nossos grupos no Telegram e WhatsApp. Adquira sua certificação digital e-CPF e e-CNPJ na com a Juristas Certificação Digital, entre em contato conosco por e-mail ou pelo WhatsApp (83) 9 93826000

DEIXE UMA RESPOSTA