TJRN revoga decisão que garantia retificação de CNH e isenção de impostos a advogada com deficiência monocular

TJRN revoga decisão que garantia retificação de CNH e isenção de impostos a advogada com deficiência monocular | Juristas
Créditos: izzet ugutmen / Shutterstock.com

Por unanimidade a 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça (TJRN) revogou a concessão de um mandado de segurança que beneficiava a advogada, com retificação de CNH e isenção de impostos, por dúvidas quanto à comprovação de deficiência monocular alegada.

O mandato concedido pela 2ª Vara de Execução Fiscal e Tributária de Natal, a Ilara Larissa Dantas Gomes, que atuou em causa própria, determinava ao Departamento de Trânsito (DETRAN-RN) a retificação da CNH, de modo a constar deficiência monocular, CID: H 54.4, no olho esquerdo, e para que a Secretaria de Tributação do Rio Grande do Norte que promova as isenções de ICMS e IPVA em veículo automotor a ser adquirido.

insenção
Crédito:s Thailand Photographer. | iStock

Após a sentença na primeira instância, o estado recorreu ao Tribunal de Justiça defendo a ausência de prova pré-constituída para o manejo do mandado, afirmando que as provas levadas aos autos são insuficientes para caracterizar, de plano, a liquidez e certeza do direito postulado.

Alegou a inadequação da via eleita, argumentando que no mandado de segurança “os autos têm de vir suficientemente instruídos com todos os elementos necessários à demonstração do direito que se postula”, o que não ocorreu no caso, diante da necessidade de prova pericial.

ipva
Crédito: Sureeporn | Istock

O estado sustentou que não há comprovação de que a impetrante seja portadora de patologia elencada em lei, apta a se enquadrar no conceito legal de cegueira, como disposto no Decreto 13.640/97. Por isso, pediu pelo conhecimento e provimento do recurso, com a denegação da segurança.

Após a análise dos autos, o desembargador Cláudio Santos, entendeu Estado do Rio Grande do Norte tem razão em suas alegações porque, constatada a divergência nos laudos apresentados no processo, a prova pré-constituída do direito líquido e certo alegado, necessária ao manejo do Mandado de Segurança, fica afastada, a teor do que dispõe a Lei 12.016/2009.

“Logo, diante da necessidade de dilação probatória, a fim de comprovar cabalmente a deficiência alegada pela parte, incabível a impetração do writ, ante a carência da ação”, afirmou. Assim, concluiu que o pleito da autora deveria ter sido formulado pelas vias ordinárias, e não pela via do Mandado de Segurança, que não admite dilação probatória indispensável no caso, diante da existência de laudos contraditórios, e a necessidade de prova pericial.

Com informações do Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Norte.


Fique por dentro de tudo que acontece no mundo jurídico no Portal Juristas, siga nas redes sociais: FacebookTwitterInstagram e Linkedin. Participe de nossos grupos no Telegram e WhatsApp. Adquira sua certificação digital e-CPF e e-CNPJ na com a Juristas Certificação Digital, entre em contato conosco por e-mail ou pelo WhatsApp (83) 9 93826000

DEIXE UMA RESPOSTA