Justiça determina concessão de salário-maternidade a produtora rural

Salário-maternidade - bebê prematuro
Créditos: Pixelistanbul | iStock

O Juiz Marcos Rafael Maciel de Souza condenou o Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) na obrigação de pagar salário-maternidade a uma produtora rural do município de Feijó (AC) fixando o início do benefício na data do requerimento administrativo.

A produtora rural que teve o pedido de salário-maternidade negado pelo INSS, por, de acordo com o Instituto, não ter comprovado todos requisitos necessários à concessão do benefício pretendido, denunciou a situação no Fórum Quirino Lucas de Moraes.

dívidas rurais
Créditos: Gerasimov174 | iStock

No processo (0700939-95.2020.8.01.0013), ela apresentou uma testemunha para confirmar sua atividade rural, exercida para subsistência. Além disso, juntou o documento que atesta o nascimento do seu filho em 22 de setembro de 2017.

Ao analisar o mérito, o juiz Marcos Rafael acolheu o pedido da autora do processo entendendo que o salário-maternidade é devido à segurada da Previdência Social, durante 120 dias, com início no período entre 28 dias antes do parto e a data de ocorrência deste, observadas as situações e condições previstas na legislação no que concerne à proteção à maternidade, conforme estabelecido pelo art. 71 da Lei 8.213/91.

TRF2 garante salário-maternidade à agricultora capixaba
Créditos: Zolnierek / Shutterstock.com

Ao decidir em favor da trabalhadora, o magistrado determinou que, sobre as parcelas vencidas, deve incidir correção monetária pelo IPCA-E e juros de mora nos termos do Manual de Cálculos da Justiça Federal.

Com informações do Tribunal de Justiça do Acre.


Fique por dentro de tudo que acontece no mundo jurídico no Portal Juristas, siga nas redes sociais: FacebookTwitterInstagram e Linkedin. Participe de nossos grupos no Telegram e WhatsApp. Adquira sua certificação digital e-CPF e e-CNPJ na com a Juristas Certificação Digital, entre em contato conosco por e-mail ou pelo WhatsApp (83) 9 93826000

DEIXE UMA RESPOSTA