CNJ apresenta relatório de 2021 em abertura do Ano Legislativo

Fux
Créditos: Reprodução / TV Juristas

Na última quarta-feira (2), durante da abertura do Ano Legislativo, o presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, entregou ao Congresso Nacional o relatório anual de atividades do CNJ realizadas ao longo de 2021.

A sessão solene foi semipresencial e reuniu o presidente do Poder Executivo, Jair Bolsonaro, o presidente do Senado Federal e do Congresso, Rodrigo Pacheco, e o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira.

Em sua fala o ministro Luiz Fux afirmou: “Os relatórios que agora entrego demonstram cabalmente que o Poder Judiciário brasileiro se reinventou para continuar garantindo o acesso à Justiça e assegurando os direitos fundamentais da população afetada pela pandemia. Congratulo a liderança dos presidentes Rodrigo Pacheco e Arthur Lira na condução do Congresso Nacional, bem como desejo êxito aos integrantes do Parlamento brasileiro no exercício de suas funções legislativas. Deus protegerá o Brasil”.

CNJ
Créditos: Luiz Silveira / Agência CNJ

A entrega do relatório pelo presidente do Judiciário está prevista no inciso VII, parágrafo 4º, art. 103-B da Constituição Federal. O relatório detalha as ações promovidas pelo órgão no ano passado, dando especial atenção aos eixos prioritários enfocados na gestão do ministro Fux à frente do CNJ. São eles: a proteção dos direitos humanos e do meio ambiente, a garantia da segurança jurídica e o melhoramento do ambiente de negócios no Brasil, o combate à corrupção e a consequente recuperação de ativos para o país e o incentivo ao acesso à Justiça digital.

O relatório traz mensagem do presidente do órgão ressaltando as ações que permitiram ampliação do acesso à justiça para população privada de liberdade. Ele cita o Programa Justiça 4.0, de inovação tecnológica e inteligência artificial que permitiu a realização e o acesso à Justiça para milhões de pessoas em 2021. As ações impulsionam, de forma colaborativa, a transformação digital do Judiciário para garantir serviços mais rápidos, eficazes e acessíveis.

Garantidor de políticas de proteção do meio ambiente e dos direitos humanos, em especial os que dizem respeito aos grupos de maior vulnerabilidade social, como as crianças, os idosos e as minorias sociais, o Judiciário, por meio do Observatório dos Direitos Humanos, desenvolveu propostas apresentadas pelos seus integrantes durante quatro reuniões virtuais. Entre elas, está a de levantar dados sobre crimes cometidos contra a população LGBTQIA+ e de instituir Grupo de Trabalho denominado voltado ao acesso à justiça de populações indígenas.

O relatório também apresenta a criação da Unidade de Monitoramento e Fiscalização de Decisões e Deliberações da Corte Interamericana de Direitos Humanos (UMF), que já participou de audiências da Corte Interamericana de Direitos Humanos, relativas à supervisão de sentença nos casos Damião Ximenes Lopes, Gomes Lund e Herzog, Favela Nova Brasília, e à supervisão de medidas provisórias relativas ao Complexo de Pedrinhas, Complexo do Curado, Instituto Penal Plácido de Sá Carvalho e UNIS (Unidade de Internação Socioeducativa), entre outros.

STF
Créditos: dabldy | iStock

Essas ações reforçam outra iniciativa do CNJ, o programa Fazendo Justiça, parceria entre o CNJ e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), que incide em diferentes fases dos ciclos penal e socioeducativo. Estão sendo desenvolvidas 28 ações de forma simultânea, desde a qualificação das audiências de custódia ao estímulo da cidadania dentro e fora das unidades de privação de liberdade.

Sobre a atividade processual do CNJ, o relatório informa que foram distribuídos 9.752 processos durante 2021. No ano, foram julgados 1.011 em 37 sessões e arquivados 11.861. As resoluções possuem força vinculante após sua publicação – todos os tribunais devem acatar as orientações de seu texto – e podem ser aplicadas a todos os órgãos do Poder Judiciário, exceto ao STF. Em 2021, foram editadas 76 Resoluções, sendo 46 sobre direitos humanos.

CNJ apresenta relatório de 2021 em abertura do Ano Legislativo | JuristasJá a Corregedoria Nacional de Justiça do CNJ, em 2021, realizou 27 inspeções virtuais, oito inspeções presenciais e sete correições presenciais. As inspeções têm a finalidade de verificar o funcionamento dos serviços judiciais e auxiliares, das serventias e dos órgãos prestadores de serviços notariais e de registro, havendo ou não evidências de irregularidades. Já as correições têm o objetivo de apurar fatos determinados relacionados com deficiências graves desses mesmos serviços.

Com informações do Conselho Nacional de Justiça.


Fique por dentro de tudo que acontece no mundo jurídico no Portal Juristas, siga nas redes sociais: FacebookTwitterInstagram e Linkedin. Participe de nossos grupos no Telegram e WhatsApp. Adquira sua certificação digital e-CPF e e-CNPJ na com a Juristas Certificação Digital, entre em contato conosco por e-mail ou pelo WhatsApp (83) 9 93826000

DEIXE UMA RESPOSTA