Brasileira é multada na Alemanha por compra de bolsa falsificada

cláusulas abusivas
Créditos: Tumsasedgars | iStock

Morando na Alemanha, país que tem um controle rígido com pirataria, de mercadoria falsas a download de filmes por torrent, a brasileira Isabele Cifuentes, 22, foi multada em 235 euros, cerca de R$ 1200, pela compra de produto falsificado.

Conforme o UOL, em fevereiro, ela decidiu comprar uma bolsa no site DHGate, que vende produtos vindos diretamente da China. Na cidade de Waldshut-Tiengen, onde a brasileira mora há três anos, uma original do modelo custa 1500 euros. Ela comprou a réplica por 50 euros. No site da Louis Vuitton no Brasil, o modelo original custa R$ 14 mil.

Segundo ela, o site não especificava que era réplica, mas, “pelos comentários, vi que era uma peça com qualidade”, contou Isabele ao Universia/UOL.

O problema começou quando o item demorou a ser entregue em sua casa. “Comprei outros itens, como brincos e capinhas de celular. Todas as coisas chegaram em um mês. Menos a bolsa. Decidi rastrear e vi que estava na alfândega”. Isabele, então, foi até o local entender o que havia acontecido com o pacote. Quando chegou lá, os fiscais informaram que ela receberia uma carta para conseguir retirar a peça.

patrocínio simultâneo ou tergiversação
Créditos: Helloquence / Unsplash

No entanto, em 21 de abril, ela recebeu uma carta com o logotipo da própria Louis Vuitton, da unidade da empresa que fica em Hamburgo, cidade alemã, com a informação de que, até o dia 6 de maio, ela deveria pagar multa e a bolsa falsa seria queimada. A multa foi paga na quinta-feira (5).

“Eu não conhecia as leis na Alemanha: aqui realmente não pode nem vender nem comprar peças piratas. Eles são bem rígidos. Não sabia que era ilegal”, disse Isabele.

O advogado Vitor Boaventura, especialista em direito do consumidor, explica que, no Brasil, poderia até haver uma multa semelhante à que a Isabele levou. Mas, no nosso país, a lei é bem mais abrangente e foca a punição em quem cria a falsificação e não no consumidor.

Expocrato é condenada a pagar indenização de R$ 300 mil por descumprir normas de saúde e higiene do trabalho
Créditos: Andrey_Popov / Shutterstock.com

Segundo ele o produto pirata fere a propriedade intelectual, ” A violação de direito autoral é um crime previsto no Código Penal brasileiro, que prevê detenção de 3 meses a um ano ou multa pela “reprodução total ou total com intuito de lucro sem autorização do autor”.

O Código Penal brasileiro, que prevê detenção de 3 meses a um ano ou multa pela reprodução parcial ou total com intuito de lucro sem autorização do autor.

Com informações do UOL.


Fique por dentro de tudo que acontece no mundo jurídico no Portal Juristas, siga nas redes sociais: FacebookTwitterInstagram e Linkedin. Adquira seu registro digital e-CPF e e-CNPJ na com a Juristas Certificação Digital, entre em contato conosco por e-mail ou pelo WhatsApp (83) 9 93826000.

DEIXE UMA RESPOSTA