Justiça determina prisão preventiva de bombeiro que atirou contra atendente do McDonald’s

instituto sou da paz / atentado
Créditos: thawornnurak | iStock

A Justiça do Rio de Janeiro determinou a prisão preventiva de Paulo Cesar de Souza Albuquerque, o sargento dos Bombeiros que no último dia 9, atirou contra o atendente do McDonald’s, Mateus Domingos Carvalho (21), após uma discussão sobre cupom de desconto. O pedido de prisão preventiva foi feito pelo Ministério Público e acatado pelo Tribunal de Justiça.

O militar está sendo acusado de homicídio tentado qualificado por motivo torpe. O atendente foi baleado na região do abdômen. De acordo com colegas da vítima, o homem fez um pedido no drive-thru da unidade localizada no bairro da Taquara, e no momento em que foi pegar o pedido, já no fim do atendimento, disse ter um cupom de desconto.

drive thru
Créditos: PORNCHAI SODA | iStock

Mateus tentou explicar que a informação deveria ter sido dada no início do pedido. Insatisfeito, o bombeiro quebrou a proteção de acrílico e deu um soco no rosto do atendente. Depois, entrou na loja e atirou no funcionário. O crime foi filmado pelas câmeras de segurança do local.

Após o ataque, Paulo Cesar fugiu em seu carro. A postura do acusado também legitimou a prisão preventiva: “a indicar, concretamente, que não pretende se submeter à aplicação da lei penal, um dos pressupostos da preventiva”, justificou o juiz Gustavo Kalil.

Negado HC a preso domiciliar que retirou tornozeleira eletrônica
Créditos: BortN66 / shutterstock.com

Em sua decisão, o juiz considerou o registro de ocorrência, o auto de apreensão e laudo de exame de corpo delito, além de relatório médico do caso. “Por outro lado, há indícios de autoria considerando os termos de depoimento, além dos autos de reconhecimento, destacando-se, ainda, o relatório de imagens”, anotou o magistrado.

A prisão preventiva também protege testemunhas, o próprio sobrevivente e outros funcionários do McDonalds em que o crime ocorreu que trabalham durante a madrugada, que relataram temer uma reação do acusado. Paulo César tem outras passagens pela polícia. Em 2012, por lesão corporal e ameaça contra uma mulher e em 2018, por violação de domicílio e invasão de um terreno.

Com informações do Portal IG.


Fique por dentro de tudo que acontece no mundo jurídico no Portal Juristas, siga nas redes sociais: FacebookTwitterInstagram e Linkedin. Adquira seu registro digital e-CPF e e-CNPJ na com a Juristas Certificação Digital, entre em contato conosco por e-mail ou pelo WhatsApp (83) 9 93826000.

DEIXE UMA RESPOSTA