Justiça autoriza Oi a vender torres da telefonia fixa

Empresa de Telefonia - Vivo - Telefônica Brasil
Créditos: Chainarong Prasertthai / iStock

A 7ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro autorizou a Oi a seguir adiante com a venda de torres de telefonia fixa, em termos semelhantes aos da proposta feita pela Highline para ficar com esses equipamentos. Ela avalia as torres em cerca de R$ 1 bilhão, com a possibilidade de outros R$ 700 milhões, a depender do que vai acontecer com a concessão de telefonia fixa depois de 2025.

Segundo o juiz Fernando Viana, a Oi apresentou parecer técnico sobre as torres, com análise do cálculo realizado para fins da apuração do preço de venda e comparativo com a proposta base feita, “onde restou concluído que a concretização do negócio se justifica, pois poderá obter a entrada de R$ 955 milhões no seu fluxo de caixa em curto prazo e deixará de concentrar recursos e esforços na operação e manutenção das torres, além da possibilidade do recebimento de pagamento adicional no valor de R$ 703 milhões no início do exercício de 2026, caso haja renovação da concessão, gerando a transação, ainda, um considerável crédito fiscal para Companhia”.

Modelo de Mandado de Segurança
Créditos: doidam10 / iStock

O juiz que preside a recuperação judicial da Oi autorizou a abertura do processo de venda, que será realizado “na forma de leilão híbrido com a fixação do valor mínimo nos termos e condições da Proposta Vinculante apresentada, mediante apresentação de propostas fechadas”.

Vale ressaltar que a operação ainda dependerá da aprovação regulatória da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e concorrencial do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Com informações do Convergência Digital.


Fique por dentro de tudo que acontece no mundo jurídico no Portal Juristas, siga nas redes sociais: FacebookTwitterInstagram e Linkedin. Adquira seu registro digital e-CPF e e-CNPJ na com a Juristas Certificação Digital, entre em contato conosco por e-mail ou pelo WhatsApp (83) 9 93826000.

DEIXE UMA RESPOSTA