A verdade oculta de sedutor discurso da Justiça Social

Data:

A verdade oculta de sedutor discurso da Justiça Social | Juristas
Ministro da Fazenda, Fernando Haddad Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil

Recentemente, presenciamos, estarrecidos, o discurso do Ministro Haddad, no G20, propondo, de forma alinhada com os “grandes líderes” desse bloco hegemônico, a criação de um imposto global de 2% (dois por cento) sobre a fortuna dos bilionários, sabe-se lá qual a extensão desse conceito.

A fala do Ministro mais pareceu um discurso de candidato a cargo de presidente de DCE universitário. A mesma conversa fiada, desgastada, surrada e fossilizada, própria dos jacobinos do século 20 (bota 20 nisso), de que a riqueza tem que ser mais bem dividida e que isso só se pode alcançar pela intervenção messiânica daqueles que detêm o poder – pois é deles, sempre deles, o monopólio da verdade e da virtude.

Eles sabem de tudo, cuidam de tudo e, portanto, cabe ao povo, essa massa de ignóbeis paspalhos, seguir como cordeiros o comando desses dedicados líderes, sempre tão prontos a corrigir os erros da sociedade e a distribuir a tão festejada justiça social.

E quando se fala, então, de justiça social e repartição de rendas e riquezas, qual o louco que vai se opor? O discurso é sedutor e, claro, impositivo, pela mensagem quase evangelizadora que incorpora – aumentar a tributação, sobretaxando os ricos (aliás, não só os ricos não é mesmo?), para que a elite governante possa cumprir seu divino papel de distribuir a justiça social.

Como se esses indivíduos tivessem obtido suas fortunas como o maná que, milagrosamente, caiu dos céus, e como não tivessem se submetido, a vida toda, à tributação de seus negócios, de seus patrimônios e de suas rendas.

Contraposta à realidade, a falácia desse tipo de proposta não resiste a um átimo de segundo. O que o Governo de plantão quer, como de resto todos os globalistas reunidos nesta “festa estranha com gente esquisita” chamada G20, é mais dinheiro dos contribuintes, para a perpetuação do modelo atual, em que uma camarilha, aconchegada ao Poder, serve-se do sangue e do suor dos contribuintes.

E nem precisamos citar, nesta senda, o dinheiro dos contribuintes, desviado em alguns dos maiores casos de corrupção no Brasil, a começar pelo escândalo dos Anões do Orçamento (década de 80 e início dos anos 90), passando pelo Mensalão e findando (até aqui, claro) com a Lava Jato e o Petrolão.

Nosso Judiciário é o mais caro do mundo, consumindo 1,6% do nosso PIB, mais do que o quádruplo gasto por outros países em desenvolvimento. O Supremo Tribunal Militar, para citar um exemplo, tem 15 ministros e orçamento de mais de R$ 500 milhões ao ano. Isso, para julgar, em média, 1.200 processos por ano, o que leva à conclusão de que cada processo no STM custa, ao contribuinte brasileiro, cerca de, pasme-se, R$ 416 mil.

Cada Parlamentar no Brasil nos custa cerca de R$ 7 milhões ao ano. Só a Câmara dos Deputados gasta, por dia, cerca de R$ 37 milhões. Sozinha, a máquina pública brasileira consome cerca de 34% (trinta e quatro por cento) de todo o nosso PIB.

E mesmo com uma das maiores cargas tributárias do mundo, o Brasil devolve serviços de quinto mundo à população.

Diante de tudo isso, parte desavisada população, cooptada pela imprensa tradicional, bate palmas e festeja essas propostas populistas e “engajadas”, “politicamente corretas”, de “repartição de riquezas” e “redistribuição de rendas”.

Friedrich August von Hayek, um dos maiores expoentes da Escola Austríaca de pensamento econômico, nos ensinava: “Acredito que a ‘justiça social’ será, finalmente, identificada como uma miragem que induziu os homens a abandonarem muitos valores que inspiraram, no passado, o desenvolvimento da civilização – uma tentativa de satisfazer um anseio herdado das tradições do pequeno grupo, que é, no entanto, desprovida de significado na Grande Sociedade de homens livres. Infelizmente, esse vago desejo, que se tornou uma das maiores forças aglutinadoras a impelir pessoas de boa vontade à ação, está fadado não só ao malogro. Isso já seria lamentável. Mas, como a maior parte das tentativas de perseguir uma meta inatingível, a luta por esse ideal produzirá também consequências extremamente indesejáveis e, em particular, levará à destruição do único clima em que os valores morais tradicionais podem florescer, ou seja, a liberdade individual.

Se fosse possível acrescentar algo ao pensamento desse extraordinário homem, diria que o malogro da justiça social serve bem aos nefastos propósitos dos nossos senhores.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Notícias, modelos de petição e de documentos, artigos, colunas, entrevistas e muito mais: tenha tudo isso na palma da sua mão, entrando em nossa comunidade gratuita no WhatsApp.

Basta clicar aqui: https://bit.ly/zapjuristas

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Guia Completo para Obter um Visto de Trabalho em Portugal: Passo a Passo para Profissionais Internacionais

Mudar-se para Portugal é um sonho para muitos devido ao seu clima ameno, qualidade de vida elevada e rica cultura histórica. Para profissionais de fora da União Europeia, uma das vias principais para realizar esse sonho é através da obtenção de um visto de trabalho. Este guia abrangente fornece um passo a passo detalhado sobre como aplicar para um visto de trabalho em Portugal, incluindo dicas essenciais e requisitos legais.

Como obter a sua CNH Digital

Introdução A CNH Digital é uma versão eletrônica da Carteira...

Bullying Versus Cyberbullying: Entenda as Diferenças e Como Proteger Seus Filhos

Você sabia que o bullying não é apenas um problema escolar, mas também uma questão preocupante online conhecida como cyberbullying? Este artigo discutirá as diferenças entre essas duas formas de agressão e como você pode proteger seus filhos na era digital.

Segurança Pública e Responsabilidade Civil do Estado

Como é de cognição geral, a Constituição Federal de 1988 alocou o Direito à Segurança ao patamar de Direito Fundamental Primário, na mesma esfera de importância dos direitos à vida, liberdade e propriedade, atribuindo-lhes inviolabilidade. Nesse sentido, por meio do art. 5 caput, da Magna Carta, o Estado se coloca, contratualmente, como o garante da Paz Social, evocando para si o chamado jus puniendi, que é o direito de punir. Assim, a punição apenas é possível dentro de um Estado Democrático de Direito enquanto elemento essencial e concreto para que se locuplete a finalidade de reprimir e, consequentemente, prevenir o crime, assim compreendido como fato desagregante da paz coletiva.