Documento único e digital estarão disponíveis a partir de julho de 2018

150
 

Projeto piloto do documento foi lançado na segunda-feira (05/02) pelo governo federal

O Documento Nacional de Identidade (DNI), que é um documento único, digital e com biometria, que reunirá vários registros civis dos brasileiros, teve seu projeto piloto lançado na segunda-feira (05/02) pelo governo federal. O DNI usa o banco de dados e biometria do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), do governo federal e também do Poder Judiciário, o que promete maior facilidade para a identificação.

Entre os documentos que serão reunidos no DNI estão a certidão de nascimento, CPF e título de eleitor, e a lista deve aumentar à medida que novos convênios sejam firmados entre os órgãos públicos para o compartilhamento de dados.

No começo do projeto, apenas aproximadamente 2 mil servidores do TSE e do Ministério do Planejamento testarão o documento e poderão baixar o aplicativo do DNI em seus smartphones ou tablets.

Veja Também: Brasil tem maior porcentagem de publicações científicas com acesso aberto

De acordo com Dyogo Oliveira, ministro do Planejamento, a idéia é facilitar a identificação do cidadão e torná-la mais eficiente, além de baratear os custos da emissão de novos documentos, já que cada DNI custa apenas R$ 0,10.

O ministro afirmou que esse novo documento abre uma série de possibilidades, já que é digital, inteligente, flexível, sem burocracia é adaptável a todos os serviços.

Origem do DNI

Esse documento é o resultado do projeto de Identificação Civil Nacional (ICN), lei que foi sancionada pelo presidente Michel Temer em maio de 2017, que possibilita a criação de um documento único aos brasileiros, válido em todo o Brasil, além do uso da identificação biométrica em órgãos públicos e privados.

O governo federal disse que depois de passada a primeira fase de testes, o DNI deve chegar aos smartphones dos brasileiros em julho de 2018.

Fonte oficial: Tecmundo