Brasil tem maior porcentagem de publicações científicas com acesso aberto

1
64

Do período de 2008 a 2014, 75% das publicações brasileiras podem ser acessadas livremente na internet

O acesso às publicações da internet deve ser facilitado, de modo que todos possam aproveitar desses conteúdos. Felizmente, o Brasil é o país com maior percentual de pesquisas com acesso aberto e gratuito.

Esse dado é de uma pesquisa de janeiro da empresa norte-americana Science-Metrix, que monitora e avalia o cenário científico e tecnológico.

Quanto ao volume de artigos produzidos, o Brasil ficou em 13º lugar, o que mostra uma excelente evolução, já que o país estava em 22º no ranking global nos anos 2000 e em 15º em 2007.

De acordo com relatório da American Journal Experts, foram mais de 2 milhões de artigos produzidos em 2017, com destaque para Estados Unidos, China, Alemanha, Reino Unido e Índia.

Importância do portal SciELO para os artigos

Três quartos das publicações brasileiras produzidas entre 2008 e 2014 podem ser acessadas livre e gratuitamente, principalmente por causa do portal SciELO, segunda fonte mais importante de artigos científicos para o Brasil, pouco atrás do ResearchGate, mais conhecido mundialmente.

Nos Estados Unidos, país que mais produz artigos científicos, ⅔ deles podem ser acessados livremente. A maioria dos países que mais produzem artigos disponibiliza 50% dos produzidos entre 2010 e 2014 gratuitamente.

No relatório da Science-Metrix, o Brasil teve em torno de 41 mil artigos publicados, enquanto os Estados Unidos publicaram mais de 400 mil. Ainda assim, 74% dos brasileiros podem ser acessados gratuitamente no SciELO, plataforma que conta com mais conteúdos de língua latina.

Existem duas maneiras de se disponibilizar um artigo gratuitamente: através da liberação direta dos pesquisadores (gold access) e de intermediários, como portais acadêmicos, institucionais e temáticos (green access). As maiores citações vêm desses tipos de artigos, principalmente dos “verdes”.

Saúde (59%) e ciências naturais (55%) são os assuntos com mais pesquisas disponibilizadas abertamente. No Brasil, Ciências Agrícolas e Biológicas, Medicina, Física/Astronomia e Química estão entre as principais áreas de estudo.

Fonte oficial: Tecmundo