Brasil e o Mar de Aral: uma metáfora Ambiental para os gastos públicos e a previdência social

19
Créditos: Laszlo Mates | iStock O denominado Mar de Aral é uma bacia endorreica, ou seja, um lago que não possui saída para o mar. Localizado entre o Cazaquistão e o Uzbequistão, já foi o quarto maior lago do mundo, com uma área de 68 mil km². Entretanto, devido às más administrações soviéticas na década de 1960 e pensamento focado no curto prazo, reduziu-se a 10% do que era. Os projetos massivos de irrigação da época não foram devidamente planejados, causando o que muitos denominam de uma das maiores tragédias ambientais do planeta. Em Agosto de 2014, dados da Nasa revelaram que pela primeira vez na história moderna a bacia leste do Mar de Aral secou completamente, transformando-se o mar no Deserto de Aralkum.   A situação do Mar de Aral e seu Sistema de irrigação – cujo projeto de construção foi registrado pela UNESCO como exemplo de má gestão ambiental – reflete muito bem a situação brasileira no que se refere a gastos públicos e apropriação da máquina e recursos estatais por setores específicos da sociedade brasileira. A oposição ao governo de plantão tenta, por meio de manobras retóricas e contraditórias (sempre defenderam a reforma da previdência e controle de

Este conteúdo é restrito para usuários cadastrados do site e é GRÁTIS. Cadastre-se GRATUITAMENTE e tenha acesso já ao conteúdo. Se já for cadastrado, faça o login. Para novos usuários basta preencher o cadastro.

Login de usuários cadastrados

6   +   2   =