Aposta cancelada na Ciberdefesa portuguesa

Data:

Bruno Castro - VisionWareFoi em abril deste ano que vi com grande satisfação a aposta do Governo português na criação do Cyber Academia & Innovation Hub (CAIH), aprovado em decreto-lei resultante do Conselho de Ministros, a 20 de abril. Ora, passado pouco menos de um mês, a oportunidade para darmos um passo de gigante no que se refere a uma estratégia nacional de ciberdefesa “cai por terra” com o anúncio proferido pelo novo Chefe de Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA), o qual decidiu abrir um novo concurso público internacional para a criação de uma Escola de Ciberdefesa, anulando por completo o processo de consulta a empresas que já havia sido iniciado há três anos pelo antecessor Almirante Silva Ribeiro.

Esta situação, se por um lado é reveladora de uma notória falta de estratégia concertada pelas mais altas instâncias ligadas à ciberdefesa nacional, por outro é também sinónimo de uma oportunidade perdida para uma aposta necessária nesta área e simultaneamente demonstra a eventual fragilidade dos nossos próprios sistemas de defesa e ciber resiliência.

Recorde-se que, e de acordo com dados recentemente divulgados pela comunicação social, a verba para ciberdefesa começou a ser reforçada em 2019. No entanto, em todos os anos subsequentes, este orçamento nunca foi executado a mais de 50%; em 2020 apenas 48,9%; em 2021 caiu para 27% e em 2022 ficou nos 30,7%. Em paralelo, e contando com o apoio financeiro (cerca de um milhão de euros e estão previstos mais 2,6 milhões) da Direção-Geral de Recursos da Defesa Nacional, está construída há mais um ano na Academia Militar do Exército, o chamado Cyber Academia & Innovation Hub, cujo objetivo, ao que tudo indica, passa por "promover a formação, treino e exercícios, a investigação e inovação no ciberespaço e, ainda, apoiar o desenvolvimento de capacidades no âmbito da cibersegurança e ciberdefesa". De ressaltar que o referido Hub se encontra equipado e mobilado com material de qualidade e de última geração, contudo mantém as portas fechadas e sem qualquer indicação de data prevista de funcionamento.

Mais uma vez, e com uma escassez de recursos humanos tão acentuada na área da cibersegurança em Portugal, com os poucos talentos a “fugir” para as gigantes multinacionais, assistimos impavidamente ao desperdício contínuo e sem consequências dos recursos e dinheiros públicos. Assistimos também a um negativo revés na aposta e investimento previstos no PRR, no qual o Estado Português anunciou um montante total de 47 milhões dedicados à formação em cibersegurança.

Aliás, a demora na edificação desta capacidade na Defesa, que ainda não elucidou a dimensão e as consequências dos grandes ciberataques ocorridos no ano passado, alvo de investigação criminal, contra redes do EMGFA e do Ministério, suscita uma natural apreensão e descrédito tanto a nível nacional, como internacional, neste setor específico de atuação.

Já no início de 2023, numa intervenção pública falava precisamente sobre o facto de considerar a Cibersegurança como a aposta do ano, tendo em conta que 2022 foi, seguramente, um dos mais significativos e marcantes anos para o setor da cibersegurança em termos de evolução da capacidade destrutiva dos ciberataques, do crescimento abrupto do cibercrime, da própria aprendizagem para todos os envolvidos no setor, e do nível de mediatização pública do tema. Este grau de mediatismo foi de tal forma assinalável e sem precedentes, e tão destrutivo, que colocou em causa serviços que sempre julgámos ser fiáveis e seguros, incluindo serviços do próprio Estado. Abalou inclusive o nosso sentido de confiança no mundo cibernético e nas próprias "marcas" de renome internacional que, afinal, também são vulneráveis a ciberataques.

Para concluir, tenhamos em consideração que transpor esta instabilidade e anulação de investimento na reputação e na ciberdefesa de um país será de evitar a todo o custo, sob pena de estarmos a cancelar a nossa própria soberania e identidade enquanto nação num mundo cada vez mais marcado pelo escalar da guerra e caos cibernético.

Bruno Castro
Bruno Castro
Bruno Castro, Fundador e CEO da VisionWare – Sistemas de Informação SA. Licenciado em Engenharia Eletrotécnica desde 2000, pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, e Mestre em Engenharia Informática (Segurança Informática), pela mesma faculdade, no ano seguinte. Especialista nas temáticas da Segurança da Informação, Cibersegurança e Investigação Forense. Está credenciado NATO-SECRET e EU-SECRET, e faz parte do grupo de auditores de segurança credenciado pelo Gabinete Nacional de Segurança.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

5ª Edição do International Insolvency Law Conference: um encontro de destaques no campo jurídico internacional

Estão oficialmente abertas as inscrições para a 5ª Edição do International Insolvency Law Conference, um evento imperdível que reunirá profissionais e pesquisadores de destaque no campo da insolvência empresarial. Marcado para os dias 7 e 9 de março, este congresso promete ser um ponto de convergência para diálogos significativos e análises profundas sobre temas cruciais relacionados à recuperação judicial, recuperação extrajudicial e falência, tanto em âmbito nacional quanto internacional.

Dono de imóvel no RN será indenizado por concessionária de energia após danos causados em imóvel após troca de poste

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) e uma empresa contratada por esta foram condenadas a indenizar um consumidor em R$ 25 mil por danos materiais causados durante a troca de postes no município de Caicó-RN. A decisão da 2ª Vara da comarca também determinou o pagamento de R$ 10 mil por danos morais ao proprietário do imóvel, com juros e correção monetária, pela concessionária de energia. Além disso, foi autorizado o levantamento de R$ 2.700,00 em aluguéis.

Procon-SP notifica Uber para explicar política de preços

O Procon-SP emitiu uma notificação nesta sexta-feira (23) para o aplicativo de transporte Uber, solicitando explicações sobre sua política de preços, conhecida como tarifa dinâmica. Nesse sistema, o valor das corridas pode variar com base na demanda, o que pode impactar especialmente em dias com problemas no transporte público, como interrupções no metrô.

UFSC não é responsável por furto de veículo em estacionamento público, decide justiça

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) não será obrigada a indenizar uma ex-funcionária do Hospital Universitário (HU) pelo furto de seu veículo em um estacionamento do campus aberto ao público. A decisão foi tomada pela 5ª Vara Federal de Blumenau, que considerou que, como o local do furto era de acesso público e gratuito, a universidade não tinha o dever de vigilância.