Fintechs: regulamentações e desafios jurídicos

Data:

Fintechs: regulamentações e desafios jurídicos | Juristas
Guilherme Molinari
Advogado do Battaglia & Pedrosa Advogados. Graduado em Direito pela FADI – Faculdade de Direito de Sorocaba. Pós-graduando em Processo Civil pela FGV-LAW .

As fintechs, empresas que combinam inovações tecnológicas com serviços financeiros, têm ganhado destaque no cenário econômico brasileiro nas últimas décadas. Essas empresas oferecem uma ampla gama de serviços, desde inovações, desenvolvimento de aplicativos e soluções para pagamentos eletrônicos, até gerenciamento de investimentos, transformando o modo como os brasileiros lidam com suas finanças.

Regulamentação pelo Banco Do Brasil

No entanto, a operação de fintechs no Brasil envolve uma série de desafios e considerações legais. Para operar legalmente, essas empresas precisam cumprir as regulamentações impostas pelo Banco Central do Brasil (BCB) e outras entidades regulatórias.

Com efeito, um dos principais aspectos regulatórios que as fintechs devem considerar é a obtenção de autorizações e licenças apropriadas. Dependendo das atividades financeiras que oferecem, algumas fintechs podem precisar de autorização específica do BCB ou da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Nesse sentido, o desafio para obtenção desses aspectos regulatórios pode ser um obstáculo para algumas startups conseguirem alavancar seus negócios.

Outras Legislações

No mais, faz-se necessário esclarecer que as fintechs também estão sujeitas às regulamentações de proteção ao consumidor, como o Código de Defesa do Consumidor (CDC), além de regulamentações de proteção de dados pessoais, especialmente a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

A segurança cibernética e a prevenção de lavagem de dinheiro são preocupações importantes, sendo certo que as fintechs devem estabelecer robustas políticas de compliance para atender a esses requisitos, bem como, deve haver um grande investimento em tecnologias capazes de proteger os clientes desses perigos.

Ou seja, embora as fintechs no Brasil estejam revolucionando o setor financeiro e proporcionando maior acesso a serviços financeiros, elas também enfrentam desafios jurídicos significativos. O cumprimento das regulamentações é essencial para garantir a legalidade de suas operações e a proteção dos direitos dos consumidores. Portanto, as fintechs devem trabalhar em estreita colaboração com profissionais jurídicos especializados e manter-se atualizadas em relação às mudanças regulatórias para prosperar nesse setor dinâmico e em crescimento.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Guilherme Molinari
Guilherme Molinari
Advogado do Battaglia & Pedrosa Advogados. Graduado em Direito pela FADI – Faculdade de Direito de Sorocaba. Pós-graduando em Processo Civil pela FGV-LAW .

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Skiplagging: Como as Companhias Aéreas Combatem Essa Prática Controversa

Skiplagging é uma prática que tem causado controvérsia no setor aéreo. Ela envolve a compra de passagens aéreas para um destino final, mas com a intenção de desembarcar em uma escala intermediária, onde o passageiro realmente deseja ir.

O sincretismo, a apropriação cultural e o direito, onde se tocam?

Você sabe o que significa a palavra sincretismo? É um termo empregado em várias áreas teóricas da cultura, mas, em resumo, quer dizer “algo que nasce da mistura de outros dois anteriores”.

Reforma Tributária: panorama geral e olhar para 2024

A Reforma Tributária veio para simplificar o sistema brasileiro que é considerado, atualmente, um dos mais complexos do mundo. A média de horas de uma empresa para apurar tributos é de 1,5 mil horas por ano. O governo federal arrecadou 2,3 trilhões de reais em 2023. E o Brasil possui 5,4 trilhões de reais em discussões jurídicas tributárias.

Segurança Pública em crise

Avaliar e identificar as causas na deficiência da vigente política de segurança pública envolve, certamente, uma reorganização das polícias, a implementação de políticas públicas de segurança pública com ênfase na prevenção e, não apenas na repressão, ações fora do sistema como atentados e outras práticas terroristas e a certeza de que se deve mobilizar todo o sistema de Justiça criminal, principalmente, no combate ao descumprimento da Lei de Execução Penal (LEP). A desarticulação dos órgãos atuantes na segurança pública e o parco diálogo entre as esferas governamentais com a sociedade civil só demonstram o muito ainda a superar no país.