Cantor Alexandre Pires é alvo de operação da PF contra garimpo ilegal na Terra Yanomami

Data:

O cantor Alexandre Pires tornou-se alvo de uma operação da Polícia Federal denominada "Disco de Ouro", que visa desmantelar um esquema de financiamento e logística ligado ao garimpo ilegal na Terra Indígena Yanomami. A ação, realizada na segunda-feira (4), incluiu mandados de busca e apreensão expedidos pela 4ª Vara Federal da Seção Judiciária de Roraima, com foco em crimes como lavagem de dinheiro. A Informação é da CNN Brasil.

anitta
Créditos: Brian A. Jackson | iStock

Segundo as investigações, Alexandre Pires teria recebido pelo menos R$ 1 milhão de uma mineradora envolvida no esquema. Além do cantor, a operação também menciona um empresário do ramo musical, de expressão nacional, como um dos responsáveis pelo núcleo financeiro dos crimes. A PF determinou o sequestro de mais de R$ 130 milhões dos suspeitos.

As movimentações financeiras da mineradora investigada foram rastreadas até contas bancárias, incluindo a do cantor, além de envolver pilotos de aeronaves, postos de combustíveis e lojas de máquinas.

Cantor Alexandre Pires é alvo de operação da PF contra garimpo ilegal na Terra Yanomami | Juristas
Vector illustration of golden vinyl record with notes

As equipes da PF cumpriram mandados de busca em um cruzeiro onde Alexandre Pires se apresentava no litoral de Santos. A operação é um desdobramento de uma ação anterior da PF em janeiro de 2022, quando foram apreendidas 30 toneladas de cassiterita na sede de uma empresa investigada, preparadas para remessa ao exterior.

Na época, o minério seria declarado como proveniente de um garimpo regular no Rio Tapajós, no Pará, mas as investigações indicam que, na realidade, teria sido extraído ilegalmente da Terra Indígena Yanomami, em Roraima.

Conforme a CNN, a assessoria de Alexandre Pires não se manifestou sobre o assunto. A PF continua a apurar os detalhes do esquema e a colaboração de pessoas envolvidas.

Com informações do CNN Brasil.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

5ª Edição do International Insolvency Law Conference: um encontro de destaques no campo jurídico internacional

Estão oficialmente abertas as inscrições para a 5ª Edição do International Insolvency Law Conference, um evento imperdível que reunirá profissionais e pesquisadores de destaque no campo da insolvência empresarial. Marcado para os dias 7 e 9 de março, este congresso promete ser um ponto de convergência para diálogos significativos e análises profundas sobre temas cruciais relacionados à recuperação judicial, recuperação extrajudicial e falência, tanto em âmbito nacional quanto internacional.

Dono de imóvel no RN será indenizado por concessionária de energia após danos causados em imóvel após troca de poste

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) e uma empresa contratada por esta foram condenadas a indenizar um consumidor em R$ 25 mil por danos materiais causados durante a troca de postes no município de Caicó-RN. A decisão da 2ª Vara da comarca também determinou o pagamento de R$ 10 mil por danos morais ao proprietário do imóvel, com juros e correção monetária, pela concessionária de energia. Além disso, foi autorizado o levantamento de R$ 2.700,00 em aluguéis.

Procon-SP notifica Uber para explicar política de preços

O Procon-SP emitiu uma notificação nesta sexta-feira (23) para o aplicativo de transporte Uber, solicitando explicações sobre sua política de preços, conhecida como tarifa dinâmica. Nesse sistema, o valor das corridas pode variar com base na demanda, o que pode impactar especialmente em dias com problemas no transporte público, como interrupções no metrô.

UFSC não é responsável por furto de veículo em estacionamento público, decide justiça

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) não será obrigada a indenizar uma ex-funcionária do Hospital Universitário (HU) pelo furto de seu veículo em um estacionamento do campus aberto ao público. A decisão foi tomada pela 5ª Vara Federal de Blumenau, que considerou que, como o local do furto era de acesso público e gratuito, a universidade não tinha o dever de vigilância.