Advogada associada não consegue vínculo de emprego com escritório de advocacia, decisão foi do TST

Data:

A Oitava Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST), por unanimidade, afastou o reconhecimento de vínculo empregatício entre uma advogada e dois escritórios de advocacia pertencentes ao mesmo grupo econômico. Segundo o colegiado, a contratação sob o regime de associação é lícita, e sua nulidade depende da comprovação de vício de consentimento, o que não ocorreu no caso.

litigância de má-fé
Créditos: Djedzura | iStock

A advogada, residente no estado do Espírito Santo, alegava que sua inclusão no quadro societário dos escritórios, um sediado no Rio de Janeiro e outro em Vitória, caracterizaria fraude aos seus direitos trabalhistas. Ela sustentou que não tinha autonomia própria de um sócio e argumentou que estavam presentes todos os requisitos da relação de emprego em seu caso.

O Juízo da 10ª Vara do Trabalho de Vitória (ES) concordou com a advogada, reconhecendo o vínculo empregatício com base na evidência de que a relação societária não existia de fato. O escritório no Espírito Santo, segundo o juiz, não tinha autonomia, indicando que a advogada não poderia atuar como sócia.

pagamento de sucumbência
Créditos: Utah778

O Tribunal Regional do Trabalho da 17ª Região manteve a decisão com base no princípio da primazia da realidade, concluindo que a mera existência do contrato de associação não exclui a configuração do vínculo empregatício.

Ao analisar o recurso de revista (1010-26.2018.5.17.0010) interposto pelo escritório de advocacia, o relator, ministro Sergio Pinto Martins, destacou que a contratação de advogados sob o regime de associação é lícita e está conforme a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF). O ministro ressaltou que a invalidade desse tipo de contrato depende da demonstração de vício de consentimento, o que não foi evidenciado no caso em questão, uma vez que o TRT fundamentou sua decisão apenas na presença dos requisitos da CLT.

Com informações do Tribunal Superior do Trabalho (TST).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Lei do “Não é Não” estabelece mecanismos de proteção à mulher em casas noturnas, bares, shows

A campanha “Não é Não”, que ganhou destaque durante o Carnaval de 2018 como uma forma de enfrentar qualquer tipo de assédio ou violência contra mulheres, tornou-se Lei em dezembro de 2023. O protocolo “Não é Não”, criado para prevenir constrangimentos e violências contra as mulheres, foi instituído por meio da Lei 14.786/2023. Embora já sancionada, a Lei entrará em vigor apenas em junho deste ano.

STF mantém restrição de comunicação entre investigados por tentativa de golpe de Estado

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), reafirmou nesta sexta-feira (16) a decisão que proibiu qualquer comunicação entre os investigados no âmbito da investigação sobre tentativa de golpe de Estado, deflagrada pela Polícia Federal na semana passada. Em resposta à manifestação feita pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Moraes explicou que não houve proibição de comunicação entre advogados ou qualquer restrição ao exercício de suas atividades.

STF rejeita denúncia por peculato contra ex-deputado federal Luiz Sérgio

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou, por unanimidade, uma denúncia por peculato apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o ex-deputado federal Luiz Sérgio Nóbrega de Oliveira (PT-RJ) e a ex-secretária parlamentar Camila Loures Paschoal. O peculato, que consiste no desvio de bem público por funcionário público em benefício próprio ou de terceiros, não foi comprovado pela acusação, segundo entendimento unânime dos ministros.

Supremo convoca audiência de conciliação em ação sobre acordos de leniência na lava jato

O ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal (STF), convocou uma audiência de conciliação para o dia 26 de fevereiro, às 10h, no contexto de uma ação que questiona os termos dos acordos de leniência celebrados entre o Estado e empresas durante a Operação Lava Jato.