Biden assina 1º decreto para regulamentar inteligência artificial nos EUA

Data:

Biden assina 1º decreto para regulamentar inteligência artificial nos EUA | Juristas
Joe Biden - 20/09/2023 Foto: Ricardo Stuckert/PR
Local: Nova York

O presidente dos Estados Unidos (EUA), Joe Biden, assinou na segunda-feira (30) a primeira ordem executiva (decreto) para regulamentar a inteligência artificial (IA) no país. O texto estabelece padrões de segurança e "define ações abrangentes para proteger os americanos dos riscos potenciais dos sistemas de IA".

Em uma cerimônia na Casa Branca, Biden disse que "a IA já está ao nosso redor e que é preciso governar essa tecnologia".

Segundo a agência Associated Press, os EUA são a casa dos principais desenvolvedores da tecnologia. Alguns deles são Google, Meta, Microsoft e muitas outras startups, como a OpenAI, dona do ChatGPT.

Veja abaixo alguns pontos do decreto:

  • os desenvolvedores de sistemas de inteligência artificial terão que compartilhar seus resultados de testes de segurança e outras informações críticas com o governo americano;
  • empresas deverão realizar testes para garantir que os sistemas de IA estejam seguros. O Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia (NIST) "definirá os padrões rigorosos para testes extensivos de equipes vermelhas para garantir a segurança antes da divulgação pública", diz o texto;
  • para conter fraudes e enganos, o Departamento de Comércio dos EUA terá que desenvolver orientações, como adoção de marca d'água, que ajudem pessoas a identificar um conteúdo criado por IA;
  • os Departamentos de Energia e Segurança Interna dos EUA ficarão responsáveis por acompanhar possíveis riscos químicos, radiológicos, biológicos e até nucleares que a IA possa gerar.

O decreto traz ainda o pedido ao Congresso para a aprovação de uma legislação bipartidária de privacidade de dados, visando a proteção de todos os norte-americanos, com especial ênfase na segurança das crianças.

Biden assina 1º decreto para regulamentar inteligência artificial nos EUA | Juristas
Joe Biden - Publicado em 17/06/2014
Local: Brasilia

No documento, Biden também solicita a criação de um guia que orientará as ações dos militares dos EUA no uso ético e eficaz da inteligência artificial em suas operações. Além disso, o decreto estipula a elaboração de um relatório destinado a identificar os possíveis riscos associados à IA no mercado de trabalho, refletindo o compromisso do governo com o futuro da força de trabalho no país.

A promoção de parcerias internacionais para assegurar a segurança e confiabilidade da IA também é destacada nas diretrizes do decreto, sublinhando o desejo do governo dos EUA de liderar o caminho em termos de desenvolvimento e uso responsável da inteligência artificial, com um foco abrangente em questões de segurança, ética e privacidade de dados em um cenário em constante evolução.

Popularização da IA

Inteligência Artificial OpenAI ChatGPT para Advogados
Créditos: rokas91 / Depositphotos

Desde a popularização da inteligência artificial em todo o mundo, particularmente com o advento do ChatGPT, legisladores de diversas nações começaram a explorar maneiras de atenuar os potenciais riscos da tecnologia para a segurança nacional e a economia.

Em julho, as principais empresas de inteligência artificial, incluindo a OpenAI, Google e Meta, comprometeram-se com a Casa Branca a implementar medidas para a identificação de conteúdo gerado por IA.

Em junho deste ano, o líder do Senado dos Estados Unidos, Chuck Schumer, instou a adoção de uma "legislação ampla" com o intuito de estabelecer garantias para a tecnologia.

Com informações do G1.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Contrato preliminar não pode ter eficácia maior que o definitivo, define terceira turma do STJ

Para a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), não é admissível conferir maior eficácia jurídica ao contrato preliminar do que ao definitivo, especialmente quando as partes, neste último, estabelecem obrigações opostas às assumidas anteriormente e contradizem os termos da proposta original.

Repetitivo discute honorários advocatícios em cumprimento de sentença decorrente de mandado de segurança individual

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), utilizando o rito dos recursos repetitivos (Tema 1.232), está prestes a definir se é viável a fixação de honorários advocatícios na fase de cumprimento de sentença resultante de decisão proferida em mandado de segurança individual, com reflexos patrimoniais.

Pente-fino feito pela AGU em depósitos judiciais com erros cadastrais deve reverter R$ 15 bilhões aos cofres públicos

Um esforço conjunto entre a Advocacia-Geral da União (AGU), a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), a Secretaria do Tesouro Nacional e a Caixa Econômica Federal está prestes a reverter aproximadamente R$ 15 bilhões aos cofres públicos.

Direito de imagem e inspiração na moda: quais os limites?

Em dezembro de 2023 repercutiu a notícia sobre uma situação em que o cantor Caetano Veloso teria processado judicialmente a Osklen pelo fato de ter sido publicada no Instagram da marca uma fotografia com a imagem do artista tirada em seu show e, no mesmo dia, terem sido publicadas fotos da coleção de verão 2024, intitulada “Brazilian Soul”, a qual declaradamente teria sido inspirada no movimento sociocultural brasileiro chamado “Tropicália”.