Dias Toffoli foi sorteado para ser o relator do caso de agressão ao ministro Alexandre de Moraes

Data:

Dias Toffoli
Créditos: Reprodução / TV Justiça

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal (STF), foi sorteado para relatar o caso de agressão envolvendo a família do ministro Alexandre de Moraes. Cabe a Toffoli conduzir o inquérito e fazer o relatório a ser analisado pelos demais ministros sobre o episódio ocorrido, no dia 14 de julho, no aeroporto de Roma. O processo está sob sigilo.

Moraes estava na Europa para palestrar no Fórum Internacional de Direito, na Universidade de Siena. O desentendimento entre as famílias ocorreu na Itália, e teria começado quando o ministro foi chamado de “bandido, comunista e comprado”.

STF / Ministro Marco Aurélio / Gilmar Mendes / Ricardo Lewandowski / Nunes Marques /A defesa da família Mantovani, que é acusada de xingar e agredir a família de Moraes, alega que o caso ocorreu em função de uma disputa por lugares na ala VIP do aeroporto. Segundo eles a família do ministro foi privilegiada no local.

O ministro Alexandre de Moraes afirma que além de ser chamado de “bandido, comprado e comunista”, seu filho teria levado um tapa no rosto.

Entenda o caso

Alexandre de Moraes
Créditos: Reprodução / TV Justiça

De acordo com a Polícia Federal, Moraes relatou que, no dia 14 de julho, entre 18h45 e 19h, Roberto Mantovani Filho, Andréia Munarão e Alex Zanatta Bignotto teriam hostilizado e proferido ofensas a ele e seus familiares. Também conforme o relato, Andréia teria afirmado que o ministro seria "bandido, comunista e comprado" e que Roberto Mantovani Filho teria proferido gritos, empurrado e desferido um tapa no rosto do filho do ministro.

A Polícia Federal abriu inquérito e apura denúncias de agressão, ameaça, injúria e difamação. Segundo o Código Penal, os crimes praticados por brasileiros, embora cometidos no estrangeiro, ficam sujeitos à lei brasileira.

Os três foram intimados no domingo (16), para depor na Delegacia de Polícia Federal de Piracicaba. Alex Zanatta Bignotto prestou depoimento ainda no domingo e negou as acusações, já Roberto e Andréia foram ouvidos na terça-feira (18) e negaram ter agredido o filho do ministro. Eles afirmam que, na verdade, foram vítimas de ofensas por parte do filho de Moraes.

As imagens das câmeras do aeroporto de Roma devem esclarecer as diferentes versões envolvendo as famílias do ministro do STF, Alexandre de Moraes, e do empresário Roberto Mantovani Filho. A Adidância da Polícia Federal em Roma recebeu na quinta-feira, 20, os arquivos das câmeras de segurança do Aeroporto Internacional de Fiumicino, na capital italiana, que registraram o ocorrido.

Com informações de Congresso em Foco, Exame e G1.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos por lá.

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Advogado Nelson Wilians recebe condecoração de Cidadão Mato-Grossense nesta terça (20)

O advogado Nelson Wilians, CEO do maior escritório full service do país, recebe o título de cidadão Mato-Grossense nesta terça-feira (20), em homenagem pelo presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Mato Grosso (ALMT), Deputado Eduardo Botelho, e pela Deputada Janaina Riva, em reconhecimento aos 25 anos de seu empreendimento na cidade.

Idoso com deficiência tem direito a desconto na passagem de acompanhante

Uma decisão judicial da 3ª Vara Cível da comarca de Lages destaca a violação de direitos e condena uma companhia aérea e um site de viagens a pagar indenização por danos materiais e morais.

TJSP mantém condenação de tutor de pitbull que atacou prestador de serviços

A 6ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) decidiu manter a sentença da 5ª Vara Cível de Ribeirão Preto, proferida pela juíza Roberta Luchiari Villela, que condenou o tutor de um pitbull que atacou um prestador de serviços a indenizar a vítima. A reparação por danos materiais foi mantida em R$ 7 mil, e o ressarcimento por danos morais foi elevado para R$ 6 mil.

Contrato preliminar não pode ter eficácia maior que o definitivo, define terceira turma do STJ

Para a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), não é admissível conferir maior eficácia jurídica ao contrato preliminar do que ao definitivo, especialmente quando as partes, neste último, estabelecem obrigações opostas às assumidas anteriormente e contradizem os termos da proposta original.