Empresário Luciano Hang e Lojas Havan condenados a pagar R$ 85 milhões por coação eleitoral de trabalhadores

Data:

havan
Créditos: Reprodução

O empresário Luciano Hang, juntamente com as lojas Havan, de sua propriedade, foi condenado a pagar R$ 85 milhões por coagir funcionários a votarem em Jair Bolsonaro (PL) durante as eleições presidenciais de 2018. A decisão foi proferida pelo juiz Carlos Alberto Pereira de Castro, da 7ª Vara de Trabalho de Florianópolis, e ainda cabe recurso.

Conforme o Ministério Público do Trabalho, o empresário promoveu ações em apoio ao então candidato, com a participação obrigatória dos empregados. Hang também enfrenta acusações de ameaçar fechar lojas e demitir funcionários em caso de vitória de Fernando Haddad (PT), adversário de Bolsonaro no segundo turno, e de realizar pesquisas eleitorais entre os trabalhadores.

Naufrágio - Indenização
Créditos: Kesu01 / iStock

Os promotores do caso destacaram que "os réus valeram-se de sua condição de empregadores para impor sua opinião política a respeito dos candidatos à Presidência da República". Apontaram também a vinculação "absolutamente censurável" da política com a manutenção dos empregos, usando métodos "humilhantes e vexatórios".

Em nota, a defesa de Luciano Hang classificou a decisão como "descabida e ideológica", afirmando que não houve irregularidades comprovadas nas perícias realizadas na época dos acontecimentos. Hang argumentou que as ordens da Justiça foram cumpridas, garantindo a liberdade de expressão do voto aos colaboradores.

Em 2018, o empresário enfrentou um processo no Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (TRT-SC), resultando na proibição da Havan e de Hang influenciarem o voto de seus empregados durante as eleições. O empresário ressaltou que a empresa tem colaboradores de diversas ideologias políticas e que o voto é secreto, cada um votando conforme sua convicção.

“Tudo foi feito de modo a garantir a liberdade dos colaboradores. Afinal, temos até hoje em nosso quadro, colaboradores de várias outras ideologias políticas. Aliás, importante lembrar que o voto é secreto e cada um votou conforme sua convicção”, assegura Luciano Hang.

Com informações do UOL.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.

Mantida multa de empresa que vendia produtos fora do prazo de validade

A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão da Vara de Viradouro, proferida pela juíza Débora Cristina Fernandes Ananias Alves Ferreira, que negou o pedido de anulação de uma multa aplicada pelo Procon a um estabelecimento comercial. O local foi multado em R$ 20,6 mil por vender produtos fora do prazo de validade.

Plano de saúde custeará exame genético para tratamento de síndrome

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a decisão da 10ª Vara Cível de Campinas, proferida pelo juiz André Pereira de Souza, que determinou que uma operadora de plano de saúde deve autorizar e custear a avaliação genética com pesquisa etiológica para um beneficiário portador da Síndrome de West.