Em crise, Americanas, Light, Grupo Petrópolis e Oi recorrem ao judiciário fluminense

Data:

registro - pessoa jurídica
Créditos: Pattanaphong Khuankaew | iStock

Empresas renomadas, como Americanas, Light, Grupo Petrópolis e Oi, pela segunda vez, recorreram à recuperação judicial em 2023, buscando reorganizar suas finanças e evitar falências. O Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ), pioneiro na aplicação da Lei de Recuperação Judicial e Falências, tem sido o principal meio utilizado por empresas em grave crise financeira.

Um levantamento parcial identificou 1.426 pedidos de recuperação judicial distribuídos em seis varas empresariais da Capital do TJRJ, excluindo os da 7ª Vara Empresarial, que adotou uma classificação distinta. O presidente do TJRJ, desembargador Ricardo Rodrigues Cardozo, destacou o papel das varas empresariais no processo de recuperação das empresas.

Empresas como Americanas, Grupo Petrópolis, Light e Oi ingressaram com pedidos de recuperação judicial em 2023. O presidente ressaltou a importância de discutir a atualização da Lei de Recuperação e Falências (LDR), que completou 18 anos em 2023.

Alguns dos Processos em Andamento:

Loja Virtual Americanas.com
Americanas.com

Grupo Americanas (Processo nº 0803087-20.2023.8.19.001)

  • Pedido de recuperação judicial em janeiro de 2023.
  • Alegação de distorções contábeis estimadas em R$ 20 bilhões.
  • Administradores judiciais Bruno Rezende e Sergio Zveiter lideram o processo.

Grupo Light (Processo nº 0843430-58.2023.8.19.0001)

  • Pedido de recuperação judicial em maio de 2023.
  • Dívida de cerca de R$ 11 bilhões.
  • Assembleia Geral de Credores prevista para março de 2024.

Oi S/A - Brasil TelecomGrupo Oi (Processo nº 0809863-36.2023.8.19.0001  / Processo nº 0090940-03.2023.8.19.0001)

  • Novo pedido de recuperação judicial em março de 2023.
  • Dívida de aproximadamente R$ 29 bilhões.
  • Proposta de Plano de Recuperação Judicial publicada em novembro.

Grupo Petrópolis

  • Pedido de recuperação judicial em março de 2023.
  • Dívidas de R$ 5,5 bilhões.
  • Plano aprovado pelos credores e homologado pela Justiça em outubro de 2023.

Com informações do Superior Tribunal de Justiça (STJ).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

5ª Edição do International Insolvency Law Conference: um encontro de destaques no campo jurídico internacional

Estão oficialmente abertas as inscrições para a 5ª Edição do International Insolvency Law Conference, um evento imperdível que reunirá profissionais e pesquisadores de destaque no campo da insolvência empresarial. Marcado para os dias 7 e 9 de março, este congresso promete ser um ponto de convergência para diálogos significativos e análises profundas sobre temas cruciais relacionados à recuperação judicial, recuperação extrajudicial e falência, tanto em âmbito nacional quanto internacional.

Dono de imóvel no RN será indenizado por concessionária de energia após danos causados em imóvel após troca de poste

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) e uma empresa contratada por esta foram condenadas a indenizar um consumidor em R$ 25 mil por danos materiais causados durante a troca de postes no município de Caicó-RN. A decisão da 2ª Vara da comarca também determinou o pagamento de R$ 10 mil por danos morais ao proprietário do imóvel, com juros e correção monetária, pela concessionária de energia. Além disso, foi autorizado o levantamento de R$ 2.700,00 em aluguéis.

Procon-SP notifica Uber para explicar política de preços

O Procon-SP emitiu uma notificação nesta sexta-feira (23) para o aplicativo de transporte Uber, solicitando explicações sobre sua política de preços, conhecida como tarifa dinâmica. Nesse sistema, o valor das corridas pode variar com base na demanda, o que pode impactar especialmente em dias com problemas no transporte público, como interrupções no metrô.

UFSC não é responsável por furto de veículo em estacionamento público, decide justiça

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) não será obrigada a indenizar uma ex-funcionária do Hospital Universitário (HU) pelo furto de seu veículo em um estacionamento do campus aberto ao público. A decisão foi tomada pela 5ª Vara Federal de Blumenau, que considerou que, como o local do furto era de acesso público e gratuito, a universidade não tinha o dever de vigilância.