Contribuinte individual não tem direito a auxílio-acidente do INSS, decide TRF1

Data:

auxílio-doença
Créditos: neirfy | iStock

A 1ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) reverteu a sentença que havia determinado o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) a conceder o auxílio-acidente retroativo a partir da data do indeferimento administrativo. O motivo da decisão se baseou no fato de a beneficiária ser uma segurada contribuinte individual, o que a exclui do direito ao benefício.

No recurso (1007118-39.2023.4.01.0000), o INSS argumentou que a beneficiária não tinha direito ao auxílio-acidente, pois era segurada filiada ao Regime Geral da Previdência Social (RGPS) na categoria de contribuinte individual. Portanto, essa categoria de segurados não se enquadra nas normas que regulam o auxílio-acidente.

STJ reconhece dano moral a paciente que não foi avisado sobre descredenciamento de hospital
Créditos: preecha2531 / Shutterstock.com

O relator do caso, desembargador federal Morais da Rocha, esclareceu que os requisitos para a concessão do auxílio-acidente incluem a qualidade de segurado, o fato de o segurado ter sofrido um acidente de qualquer natureza, a redução parcial e definitiva da capacidade para o trabalho habitual e a existência de nexo causal entre o acidente e a redução da capacidade. Conforme a legislação previdenciária, o benefício é destinado a segurados empregados, trabalhadores avulsos e segurados especiais, e não a segurados contribuintes individuais ou facultativos.

Viúva de caminhoneiro que morreu em acidente de trabalho será indenizada
Créditos: Zolnierek / Shutterstock.com

O magistrado observou ainda que para a concessão do auxílio-acidente é necessário comprovar a redução da capacidade laboral para a função que o segurado desempenhava no momento do acidente. No caso em questão, a perícia médica constatou que a autora tinha sequelas de um trauma na região cervical e estava parcialmente, de forma permanente, incapacitada para atividades que envolviam movimentos da coluna cervical desde o acidente, ocorrido em 2009. No entanto, de 2006 a 2019, a beneficiária era uma contribuinte individual, tendo recebido auxílio-doença de 2009 a 2010 e novamente em 2019.

Portanto, o desembargador concluiu que a autora não tinha direito ao benefício, pois era uma contribuinte individual no momento do acidente. O relator votou a favor de negar o recurso, sendo acompanhado pelo colegiado.

Com informações de Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Contrato preliminar não pode ter eficácia maior que o definitivo, define terceira turma do STJ

Para a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), não é admissível conferir maior eficácia jurídica ao contrato preliminar do que ao definitivo, especialmente quando as partes, neste último, estabelecem obrigações opostas às assumidas anteriormente e contradizem os termos da proposta original.

Repetitivo discute honorários advocatícios em cumprimento de sentença decorrente de mandado de segurança individual

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), utilizando o rito dos recursos repetitivos (Tema 1.232), está prestes a definir se é viável a fixação de honorários advocatícios na fase de cumprimento de sentença resultante de decisão proferida em mandado de segurança individual, com reflexos patrimoniais.

Pente-fino feito pela AGU em depósitos judiciais com erros cadastrais deve reverter R$ 15 bilhões aos cofres públicos

Um esforço conjunto entre a Advocacia-Geral da União (AGU), a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), a Secretaria do Tesouro Nacional e a Caixa Econômica Federal está prestes a reverter aproximadamente R$ 15 bilhões aos cofres públicos.

Direito de imagem e inspiração na moda: quais os limites?

Em dezembro de 2023 repercutiu a notícia sobre uma situação em que o cantor Caetano Veloso teria processado judicialmente a Osklen pelo fato de ter sido publicada no Instagram da marca uma fotografia com a imagem do artista tirada em seu show e, no mesmo dia, terem sido publicadas fotos da coleção de verão 2024, intitulada “Brazilian Soul”, a qual declaradamente teria sido inspirada no movimento sociocultural brasileiro chamado “Tropicália”.