Eduardo Cunha tem penhora de bens autorizada pela justiça do RJ

Data:

O deputado cassado, depois de perder ação por danos morais contra o jornalista Arnaldo Jabor, alegou não ter meios para arcar com custos do processo

O ex-deputado Eduardo Cunha, preso desde outubro de 2016, teve pedido de penhora de bens expedido pela juíza Maria Cecília Pinto Gonçalves, da 52ª Vara Cível da Capital. A penhora serviria para custear despesas do processo judicial que Eduardo Cunha moveu contra a Infoglobo, no valor de R$ 8.425,80. Valor esse que será destinado ao Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

Entenda o caso

Em comentário veiculado na TV Globo, de dezembro de 2015, e em matéria mantida no site da emissora, o jornalista Arnaldo Jabor chamou Eduardo Cunha de “coisa ruim”. Sentindo-se ferido em sua honra, Eduardo Cunha entrou com ação contra a Infoglobo na justiça do Rio de Janeiro, exigindo reparação por danos morais.

Depois de perder a ação, a defesa de Cunha alegou não ter meios para custear as despesas contraídas com o processo judicial, que somam a importância de R$ 8.425,80. Em suas argumentações, os advogados alegaram que seu cliente está preso e teve seus bens bloqueados pela justiça, o que impediria a obtenção de qualquer rendimento.  Com isso, o ex-deputado entrou com pedido de gratuidade de justiça, que fora negadaopela juíza Maria Cecília Pinto Gonçalves.

Em seu parecer, a magistrada considerou improcedente o pleito, uma vez que o apenado está preso, justamente, por enriquecimento ilícito, entre outros crimes graves contra a administração pública.

“Não é dado a ninguém se beneficiar da própria torpeza, já que os bens se encontram bloqueados pelo fato da existência de indícios do patrimônio do executado ter sido ocultado em 'trust' mantido no exterior”.

Está notícia faz referência ao processo de n° 0409114022014.819.0001 (TJ/RJ)

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de contrato de prestação de serviços de Personal Trainer para Triatetlas

O presente contrato tem por objeto a prestação de serviços de personal trainer especializado em treinamento para triatletas, com o objetivo de melhorar o desempenho do Contratante nas modalidades de natação, ciclismo e corrida.

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.

Justiça condena hospital, plano de saúde e médico a indenizar paciente por erro em cirurgia

A 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou uma decisão da Comarca de Belo Horizonte que responsabiliza um hospital, um médico anestesista e um plano de saúde pelo pagamento de indenizações à uma paciente, totalizando R$ 200 mil, divididos igualmente entre danos morais e estéticos.