Encerramento do CIDESMA celebra desembargadores João Benedito e Marcos William, além do lançamento de livro em honra ao ministro Paulo Dias de Moura Ribeiro no STJ

Data:

Encerramento do CIDESMA celebra desembargadores João Benedito e Marcos William, além do lançamento de livro em honra ao ministro Paulo Dias de Moura Ribeiro no STJ | Juristas
Des. João Benedito recebe comenda

Na manhã da última sexta-feira, dia 8 de dezembro, os desembargadores, João Benedito da Silva, presidente do Tribunal de Justiça da Paraíba, e Marcos William de Oliveira, desembargador aposentado, foram agraciados com a Comenda 'Desembargador Simeão Cananéa'. A homenagem foi concedida pela Associação dos Magistrados da Paraíba (AMPB) durante o encerramento do I Congresso Internacional de Direito da Escola Superior da Magistratura (CIDESMA), no Intermares Hall, em Cabedelo.

A Comenda, que leva o nome do renomado desembargador Simeão Cananéa, foi entregue em um momento festivo que celebrou os 40 anos da Escola Superior da Magistratura - Esma e os 65 anos da Associação dos Magistrados da Paraíba. O desembargador João Benedito da Silva expressou sua gratidão e honra ao receber a comenda, destacando a importância do momento para a magistratura paraibana. "É um momento de muita alegria, que vou guardar com um sentimento de gratidão", afirmou o presidente do Tribunal de Justiça da Paraíba.

Encerramento do CIDESMA celebra desembargadores João Benedito e Marcos William, além do lançamento de livro em honra ao ministro Paulo Dias de Moura Ribeiro no STJ | Juristas
Des. Marcos William sendo homenageado

Já o desembargador aposentado Marcos William de Oliveira, também homenageado, considerou a medalha como o reconhecimento de toda uma vida dedicada à magistratura. “E também por tratar-se da medalha Simeão Cananéa, com o qual eu tive a honra de conviver quer seja na área da magistratura propriamente dita, no trabalho árduo e diário, quer seja nos eventos esportivos que eram capitaneados pelo eminente desembargador”, completou.

Lançamento do Livro em Homenagem ao Ministro Paulo Dias de Moura Ribeiro do STJ

Encerramento do CIDESMA celebra desembargadores João Benedito e Marcos William, além do lançamento de livro em honra ao ministro Paulo Dias de Moura Ribeiro no STJ | Juristas
Lançamento do livro ‘Liber Amicorum: uma homenagem aos 10 anos do ministro Paulo Dias de Moura Ribeiro no STJ’

Além das homenagens aos desembargadores, a manhã também foi marcada pelo lançamento do livro intitulado 'Liber Amicorum: uma homenagem aos 10 anos do ministro Paulo Dias de Moura Ribeiro no STJ'. A obra, autografada pelo ministro, é de autoria dos coordenadores Wilson Furtado Roberto, Eronides Aparecido Rodrigues dos Santos, Felipe Herdem Lima e Aline Gomes Caselato.

A apresentação da obra ficou a cargo do diretor da Esma, desembargador Ricardo Vital de Almeida. O livro é uma expressão de reconhecimento e apreço ao ministro Paulo Dias de Moura Ribeiro, que completa uma década de serviços prestados no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Painel sobre Desafios e Perspectivas da Magistratura Brasileira

A programação do evento incluiu um painel exclusivo à magistratura, abordando o tema 'Desafios e Perspectivas da Magistratura Brasileira: a valorização do trabalho associativo'. O debate contou com a participação do juiz Max Nunes de França, diretor do Laboratório de Inovação e Inteligência da Associação dos Magistrados Brasileiros e ex-presidente da AMPB; Nelson Gustavo Mesquita Ribeiro Alves, juiz Federal da 4ª Região; Nayara Queiroz Mota de Sousa, magistrada do trabalho da 13ª Região; e Bárbara Bortoluzzi Emmerich, juíza de Direito do Tribunal de Justiça da Paraíba. O presidente da AMPB, magistrado Alexandre Trineto, atuou como coordenador do painel.

Com informações do Tribunal de Justiça da Paraíba.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

5ª Edição do International Insolvency Law Conference: um encontro de destaques no campo jurídico internacional

Estão oficialmente abertas as inscrições para a 5ª Edição do International Insolvency Law Conference, um evento imperdível que reunirá profissionais e pesquisadores de destaque no campo da insolvência empresarial. Marcado para os dias 7 e 9 de março, este congresso promete ser um ponto de convergência para diálogos significativos e análises profundas sobre temas cruciais relacionados à recuperação judicial, recuperação extrajudicial e falência, tanto em âmbito nacional quanto internacional.

Dono de imóvel no RN será indenizado por concessionária de energia após danos causados em imóvel após troca de poste

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) e uma empresa contratada por esta foram condenadas a indenizar um consumidor em R$ 25 mil por danos materiais causados durante a troca de postes no município de Caicó-RN. A decisão da 2ª Vara da comarca também determinou o pagamento de R$ 10 mil por danos morais ao proprietário do imóvel, com juros e correção monetária, pela concessionária de energia. Além disso, foi autorizado o levantamento de R$ 2.700,00 em aluguéis.

Procon-SP notifica Uber para explicar política de preços

O Procon-SP emitiu uma notificação nesta sexta-feira (23) para o aplicativo de transporte Uber, solicitando explicações sobre sua política de preços, conhecida como tarifa dinâmica. Nesse sistema, o valor das corridas pode variar com base na demanda, o que pode impactar especialmente em dias com problemas no transporte público, como interrupções no metrô.

UFSC não é responsável por furto de veículo em estacionamento público, decide justiça

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) não será obrigada a indenizar uma ex-funcionária do Hospital Universitário (HU) pelo furto de seu veículo em um estacionamento do campus aberto ao público. A decisão foi tomada pela 5ª Vara Federal de Blumenau, que considerou que, como o local do furto era de acesso público e gratuito, a universidade não tinha o dever de vigilância.