Filho atira contra réu em júri por assassinato do pai em São José do Belmonte-PE

Data:

Filho atira contra réu em júri por assassinato do pai em São José do Belmonte-PE | Juristas
Rear view of a advocate communicating with the jurors in the court house

Na manhã desta quarta-feira (29), um júri na Vara Única da Comarca de São José do Belmonte, no Sertão de Pernambuco, foi marcado por um ato chocante quando um homem, identificado como Cristiano Alves Terto, filho da vítima do caso em julgamento, invadiu o local e disparou várias vezes contra o réu, Francisco Cleidivaldo Mariano de Moura.

O crime ocorreu durante o julgamento do assassinato do pai de Cristiano, Francisco Alves Terto, em 2012. O réu estava sendo julgado pelo homicídio do pai do atirador. O ataque aconteceu na presença de testemunhas, jurados, advogados e do juiz, mas, felizmente, ninguém mais ficou ferido.

Crime de Latrocínio - Arma de Fogo - Ação Penal
Créditos: ArturVerkhovetskiy / Depositphotos

Cristiano Alves Terto tentou fugir após os disparos, mas foi detido pela Polícia Militar de Pernambuco. Ele estava armado com um revólver. O suspeito foi encaminhado para a delegacia do município, onde foi autuado em flagrante.

O réu, Francisco Cleidivaldo Mariano de Moura, foi inicialmente levado para o Hospital de São José de Belmonte e posteriormente transferido para o Hospital de Serra Talhada, onde recebe cuidados médicos. O estado de saúde dele não foi divulgado.

Histórico

fraudes
Créditos: Zim286 | iStock

O crime que levou ao julgamento ocorreu em 2012, quando Francisco Alves Terto, pai do atirador, foi morto por disparo de arma de fogo. O réu, em estado de embriaguez, teria ido ao sítio da vítima para questioná-lo sobre um burro que teria fugido de sua propriedade. Após uma resposta negativa, ocorreu o ataque que resultou na morte de Francisco Alves Terto.

O Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) está acompanhando o desdobramento do caso, que agora envolve não apenas o homicídio original, mas também o atentado durante o julgamento.

Com informações do UOL.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Direito de imagem e inspiração na moda: quais os limites?

Em dezembro de 2023 repercutiu a notícia sobre uma situação em que o cantor Caetano Veloso teria processado judicialmente a Osklen pelo fato de ter sido publicada no Instagram da marca uma fotografia com a imagem do artista tirada em seu show e, no mesmo dia, terem sido publicadas fotos da coleção de verão 2024, intitulada “Brazilian Soul”, a qual declaradamente teria sido inspirada no movimento sociocultural brasileiro chamado “Tropicália”.

Lei do “Não é Não” estabelece mecanismos de proteção à mulher em casas noturnas, bares, shows

A campanha “Não é Não”, que ganhou destaque durante o Carnaval de 2018 como uma forma de enfrentar qualquer tipo de assédio ou violência contra mulheres, tornou-se Lei em dezembro de 2023. O protocolo “Não é Não”, criado para prevenir constrangimentos e violências contra as mulheres, foi instituído por meio da Lei 14.786/2023. Embora já sancionada, a Lei entrará em vigor apenas em junho deste ano.

STF mantém restrição de comunicação entre investigados por tentativa de golpe de Estado

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), reafirmou nesta sexta-feira (16) a decisão que proibiu qualquer comunicação entre os investigados no âmbito da investigação sobre tentativa de golpe de Estado, deflagrada pela Polícia Federal na semana passada. Em resposta à manifestação feita pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Moraes explicou que não houve proibição de comunicação entre advogados ou qualquer restrição ao exercício de suas atividades.

STF rejeita denúncia por peculato contra ex-deputado federal Luiz Sérgio

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou, por unanimidade, uma denúncia por peculato apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o ex-deputado federal Luiz Sérgio Nóbrega de Oliveira (PT-RJ) e a ex-secretária parlamentar Camila Loures Paschoal. O peculato, que consiste no desvio de bem público por funcionário público em benefício próprio ou de terceiros, não foi comprovado pela acusação, segundo entendimento unânime dos ministros.