Importunação sexual: Justiça de SP determina perícia para avaliar se ex-deputado tocou em seio de colega

Data:

empresa
Créditos: Antonio_Diaz | iStock

A Justiça paulista determinou ao Instituto de Criminalística que realize uma perícia nas gravações audiovisuais a fim de verificar se houve ato de importunação sexual e o ex-deputado estadual Fernando Cury (Cidadania) tocou ou não no seio da colega Isa Penna , então deputada estadual pelo (PSOL), durante uma sessão no plenário da Assembleia Legislativa de São Paulo. A informação é do UOL.

O episódio ocorreu em dezembro de 2020. Nas imagens da sessão, transmitida pela Casa, Cury se aproxima por trás de Isa Penna, coloca e mantém as mãos na lateral do corpo dela.

Penna procurou o Ministério Público, acusando Cury de assédio. Disse que ele a havia surpreendido "com uma apalpada na lateral do seu seio direito". Três meses depois, ele foi denunciado formalmente por importunação sexual, crime com pena de um a cinco anos de prisão.

"Sem que a deputada pudesse perceber ou oferecer qualquer tipo de resistência, o deputado se aproximou e, de forma acintosa, praticou atos de importunação sexual com o objetivo de satisfazer a sua lascívia", afirmou na denúncia o procurador geral de Justiça, Mario Luiz Sarrubbo.

Cury, que não conseguiu se reeleger em 2022 ao concorrer pelo partido União Brasil, disse à Justiça não ter agido com má-fé. "Não houve intenção de assediá-la sexualmente, não houve intenção libidinosa", declarou. Ele disse no processo que "nunca houve apalpação de partes íntimas, nunca houve apalpação dos seios, nunca houve encoxada".

Em manifestação à Justiça, os advogados de Isa Penna, hoje suplente de deputada federal pelo PCdoB, afirmaram que a realização da perícia é "irrelevante e impertinente" e que o objetivo da defesa de Cury é apenas o de postergar o trâmite da ação penal.

"Houve uma série de atos que, aliados, representam a prática do delito descrito: a aproximação por trás, com a mão na altura do seio, o deslize pelas costas e o contato entre as cabeças, tudo sem o consentimento da deputada."

A perícia foi mantida pela juíza Danielle Galhano Pereira da Silva, que fez a solicitação na última segunda-feira (4), ao Instituto de Criminalística, da polícia científica de São Paulo. Não havendo prazo para a sua finalização.

Em nota divulgada à imprensa em julho, Isa disse que a cultura do estupro tem de acabar. "Levarei esse caso até o fim por todas as que já foram vítimas de qualquer importunação sexual e para mostrar aos agressores que nós vamos reagir de todas as formas que estiverem ao nosso alcance."

Com informações do UOL.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Idoso com deficiência tem direito a desconto na passagem de acompanhante

Uma decisão judicial da 3ª Vara Cível da comarca de Lages destaca a violação de direitos e condena uma companhia aérea e um site de viagens a pagar indenização por danos materiais e morais.

TJSP mantém condenação de tutor de pitbull que atacou prestador de serviços

A 6ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) decidiu manter a sentença da 5ª Vara Cível de Ribeirão Preto, proferida pela juíza Roberta Luchiari Villela, que condenou o tutor de um pitbull que atacou um prestador de serviços a indenizar a vítima. A reparação por danos materiais foi mantida em R$ 7 mil, e o ressarcimento por danos morais foi elevado para R$ 6 mil.

Contrato preliminar não pode ter eficácia maior que o definitivo, define terceira turma do STJ

Para a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), não é admissível conferir maior eficácia jurídica ao contrato preliminar do que ao definitivo, especialmente quando as partes, neste último, estabelecem obrigações opostas às assumidas anteriormente e contradizem os termos da proposta original.

Repetitivo discute honorários advocatícios em cumprimento de sentença decorrente de mandado de segurança individual

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), utilizando o rito dos recursos repetitivos (Tema 1.232), está prestes a definir se é viável a fixação de honorários advocatícios na fase de cumprimento de sentença resultante de decisão proferida em mandado de segurança individual, com reflexos patrimoniais.