Influenciador Renato Cariani é indiciado por tráfico equiparado, associação para o tráfico de drogas e lavagem de dinheiro

Data:

Influenciador Renato Cariani é indiciado por tráfico equiparado, associação para o tráfico de drogas e lavagem de dinheiro | Juristas
Businessman and Influencer Ricardo Caliani gives a statement to the Federal Police in Sao Paulo. — Foto de thenews2.com

A Polícia Federal indiciou o influenciador fitness Renato Cariani por tráfico equiparado, associação para o tráfico de drogas e lavagem de dinheiro. O anúncio foi feito após a Justiça negar, nesta segunda-feira (18), um pedido de prisão apresentado pelo Ministério Público. Cariani permanece em liberdade enquanto o caso segue em investigação.

Conforme as autoridades policiais, o tráfico equiparado está relacionado ao fato de que Cariani, aparentemente, não teria envolvimento direto com drogas ilícitas, mas sim com produtos químicos destinados à preparação de entorpecentes. A complexidade do caso levou à inclusão de acusações como associação para o tráfico e lavagem de dinheiro.

O influenciador, conhecido por seu trabalho no universo fitness, teve sua reputação abalada após o indiciamento, que resultou na negativa da prisão preventiva. As investigações agora seguirão seu curso, e Renato Cariani terá a oportunidade de apresentar sua defesa diante das acusações que pesam sobre ele.

Quem é Cariani

Renato Cariani, aos 47 anos, destaca-se como um dos principais nomes do fisiculturismo brasileiro e do mundo fitness. Casado com Tatiane Martines Cariani, ele possui uma impressionante base de seguidores, com mais de 7 milhões no Instagram e 6 milhões no YouTube. Seus vídeos sobre dieta e culto ao corpo acumulam 1 bilhão de visualizações. Nas redes sociais, Renato se apresenta como professor de química, educação física, atleta profissional, empresário e youtuber.

Entenda o caso

Na terça-feira (12), a PF executou 18 mandados de busca e apreensão em São Paulo, Minas Gerais e Paraná, incluindo a residência do influenciador e sócio administrador da indústria química Anidrol, em Diadema. Outro alvo foi a casa de Fábio Spínola Mota, apontado como intermediador e amigo de Cariani. Investigado por tráfico anteriormente, ele dirigia a entrega para o tráfico, sendo apreendidos R$ 100 mil em sua residência. A PF e o MP solicitaram a prisão preventiva do influenciador, sua sócia Roseli Dorth e do amigo dele Fábio Spínola, mas a Justiça negou.

Depoimento

Influenciador Renato Cariani é indiciado por tráfico equiparado, associação para o tráfico de drogas e lavagem de dinheiro | Juristas
Businessman and Influencer Ricardo Caliani gives a statement to the Federal Police in Sao Paulo. — Foto de thenews2.com

O influencer prestou depoimento na sede da instituição, na cidade de São Paulo, na segunda-feira (18). Ele chegou à sede da PF, na Zona Oeste da capital, por volta das 13h30, acompanhado do advogado. O depoimento terminou por volta das 18h. Ele é suspeito de participar de um esquema de desvio de produtos químicos para o narcotráfico produzir toneladas de drogas, especialmente crack.

Antes de prestar depoimento, Cariani não quis comentar as investigações, falou que "ainda não é um inquérito criminal" e que falaria sobre o caso apenas na saída. Em nota, a defesa dele disse que o influenciador "respondeu a todas as perguntas que lhe foram feitas" e que "seu indiciamento foi realizado antes do início de seu depoimento".

Era aguardada a presença para depoimento de duas pessoas desempenhando um papel crucial no esquema: Roseli Dorth e Fábio Spinola.

Roseli Dorth, com 71 anos, é identificada como sócia-administrativa da indústria química Anidrol, de propriedade de Cariani, situada em Diadema, na Grande São Paulo. A defesa dela solicitou o adiamento do depoimento, alegando falta de acesso ao processo.

Segundo as investigações, Roseli é mãe de dois ex-sócios da Quimietest, empresa que pertenceu à esposa de Cariani. Supostamente, ela esteve envolvida em diversas transações suspeitas sob investigação da Polícia Civil de São Paulo, relacionadas à venda de produtos químicos destinados à produção de crack, em conjunto com Cariani.

Fábio Spinola também estaria vinculado a esse núcleo de atividades.

O Ministério Público voltou a pedir a prisão dos envolvidos, mas a Justiça negou novamente e assim Cariani e os demais investigados seguem em liberdade.

Com informações do G1.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

STF mantém restrição de comunicação entre investigados por tentativa de golpe de Estado

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), reafirmou nesta sexta-feira (16) a decisão que proibiu qualquer comunicação entre os investigados no âmbito da investigação sobre tentativa de golpe de Estado, deflagrada pela Polícia Federal na semana passada. Em resposta à manifestação feita pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Moraes explicou que não houve proibição de comunicação entre advogados ou qualquer restrição ao exercício de suas atividades.

STF rejeita denúncia por peculato contra ex-deputado federal Luiz Sérgio

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou, por unanimidade, uma denúncia por peculato apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o ex-deputado federal Luiz Sérgio Nóbrega de Oliveira (PT-RJ) e a ex-secretária parlamentar Camila Loures Paschoal. O peculato, que consiste no desvio de bem público por funcionário público em benefício próprio ou de terceiros, não foi comprovado pela acusação, segundo entendimento unânime dos ministros.

Supremo convoca audiência de conciliação em ação sobre acordos de leniência na lava jato

O ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal (STF), convocou uma audiência de conciliação para o dia 26 de fevereiro, às 10h, no contexto de uma ação que questiona os termos dos acordos de leniência celebrados entre o Estado e empresas durante a Operação Lava Jato.

Vale é condenada por demitir técnico que se recusou a negociar terreno para ampliação de ferrovia

A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) confirmou uma decisão que condenou a Vale S.A. a pagar uma indenização de R$ 300 mil a um técnico de mineração com 28 anos de serviço. A demissão ocorreu após o profissional se recusar a negociar o uso de um terreno rural que a empresa pretendia utilizar para expandir uma ferrovia. O colegiado considerou a dispensa arbitrária e retaliatória, configurando abuso do poder econômico.