Fertilização in vitro: Suprema Corte do Alabama declara embriões congelados como "crianças", gerando críticas

Data:

Laboratório Diagnósticos da América SA
Créditos: Totojang / iStock

A Suprema Corte do Alabama emitiu uma sentença que considera embriões congelados fora do útero como "crianças", uma decisão que tem provocado controvérsias e críticas tanto da Casa Branca quanto de organizações relacionadas à infertilidade nos Estados Unidos.

A porta-voz da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, expressou preocupação com as consequências dessa decisão, destacando a pressão sobre os cuidados reprodutivos e contraceptivos devido a políticas de funcionários eleitos republicanos em todo o país.

A Associação Nacional de Infertilidade (Resolve) alertou que essa sentença poderia ter "consequências devastadoras" para as clínicas de fertilidade no Alabama, afetando o acesso à fertilização in vitro (FIV), um tratamento essencial para muitos casais com problemas de infertilidade. "É um acontecimento assustador para 1 em cada 6 pessoas afetadas pela infertilidade que precisam de fertilização in vitro para construir suas famílias", declarou a Resolve em um comunicado.

A controvérsia surgiu a partir de uma ação movida contra uma clínica de fertilidade sob uma lei estadual antiga. Três casais processaram a clínica após embriões congelados serem destruídos por um incidente acidental.

Enquanto um tribunal inferior rejeitou a ação, argumentando que embriões não podem ser considerados como "pessoas" ou "crianças", a Suprema Corte do Alabama discordou, baseando sua decisão na Lei de Morte Injusta de um Menor de 1872.

O juiz Jay Mitchell, que liderou a sentença, fundamentou sua decisão em crenças religiosas, argumentando que a vida humana não nascida é sagrada, refletindo a posição do estado do Alabama em relação ao aborto. Segundo ele, "O povo do Alabama declarou que a política pública deste estado é que a vida humana não nascida é sagrada". "Acreditamos que cada ser humano, desde o momento da concepção, é feito à imagem de Deus, criado por Ele para refletir Sua semelhança", acrescentou.

Dana Sussman, vice-diretora executiva da organização Pregnancy Justice, descreveu a sentença de Alabama como uma "extensão natural do movimento em direção à personificação do feto".

"Isso é motivo de grande preocupação para qualquer pessoa que se preocupe com os direitos reprodutivos das pessoas e o atendimento ao aborto", afirmou Sussman.

A decisão provocou críticas de organizações preocupadas com os direitos reprodutivos e o acesso ao aborto nos Estados Unidos. A Associação Médica do Estado do Alabama também expressou preocupações sobre o impacto negativo que essa sentença poderia ter no tratamento de fertilização in vitro (FIV).

O Alabama é um dos mais de 20 estados americanos que impuseram restrições ao acesso ao aborto após uma decisão da Suprema Corte em 2022, que revogou o direito constitucional ao aborto consagrado no caso Roe vs. Wade.

Com informações do UOL.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

A Influência da Identidade Visual na Força da Marca

A Influência da Identidade Visual na Força da Marca Definição...

Marcas Notoriamente Conhecidas: Proteção e Exemplos no Brasil

No mundo dos negócios, algumas marcas alcançam um nível de reconhecimento tão alto que se tornam notoriamente conhecidas. Essas marcas gozam de uma proteção especial, mesmo que não estejam registradas em todas as classes de produtos ou serviços. Este artigo aborda o conceito de marcas notoriamente conhecidas, a proteção legal conferida a elas no Brasil e exemplos de marcas que se enquadram nessa categoria.

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.