Operação Lava Jato: acordos no STF recuperam mais de R$ 2 bilhões

Data:

investigado na Operação Lava-Jato
Créditos: Niro Design |

Um relatório elaborado pelo Gabinete do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), revelou que os acordos de colaboração premiada homologados pelo tribunal, no contexto da Operação Lava Jato, resultaram na recuperação de mais de R$ 2 bilhões para os cofres públicos. Esse montante foi obtido por meio do pagamento de multas ou restituição de bens e valores à União. O balanço marca os 10 anos da operação, sendo que sete deles foram sob a relatoria de Fachin.

O ministro assumiu a relatoria da Lava Jato no STF em 2017, após o falecimento do ministro Teori Zavascki em um acidente aéreo. Desde então, Fachin proferiu mais de 20 mil decisões e despachos em diversas instâncias processuais, além de analisar cerca de 30 mil petições de defesa, pareceres e relatórios.

Durante esse período, foram realizadas 211 decisões colegiadas, abrangendo agravos regimentais em colaboração premiada, denúncias examinadas, julgamentos de mérito de ações penais, bem como deliberações em habeas corpus e recursos.

Ao todo, foram homologados 120 acordos de colaboração, dos quais 22 foram homologados pelo ministro Fachin, 21 pelo ministro Teori e 77 pela ministra Cármen Lúcia, então presidente do Tribunal, antes da designação da nova relatoria.

Medidas Cautelares e Processuais

Fachin emitiu cerca de 5 mil decisões monocráticas ao longo de sete anos, abrangendo diversas classes processuais, incluindo petições, inquéritos, ações penais, medidas cautelares e execuções penais. Entre essas decisões, 670 foram relacionadas a ações cautelares, envolvendo autorizações para busca e apreensão, quebra de sigilos bancário e fiscal, bloqueio de bens, interceptação telefônica, entre outros pedidos.

Entre 2017 e 2018, foram concedidas duas prisões temporárias e 12 preventivas. Nos anos seguintes, não houve requerimento de prisões.

Inquéritos e Denúncias

Em março de 2017, a Lava Jato no STF contava com 125 inquéritos. Atualmente, seis inquéritos estão em andamento no gabinete do ministro Fachin. Esses procedimentos investigativos resultaram em 34 denúncias apresentadas pela Procuradoria-Geral da República (PGR). Dessas, 27 foram examinadas pela Corte, resultando no recebimento de nove e na rejeição de 18 acusações.

Ações Penais

No total, foram instauradas nove ações penais contra autoridades com prerrogativa de foro no STF. Destas, oito tiveram julgamento de mérito, resultando em três condenações e quatro absolvições. Uma ação penal ainda aguarda decisão colegiada sobre efeitos do empate na votação, enquanto outra foi encaminhada para outra instância após o recebimento da denúncia.

Além disso, o relatório destaca a movimentação processual relacionada a pedidos de habeas corpus, reclamações e outros recursos, totalizando 492 processos.

Com informações do Supremo Tribunal Federal (STF).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

A Influência da Identidade Visual na Força da Marca

A Influência da Identidade Visual na Força da Marca Definição...

Marcas Notoriamente Conhecidas: Proteção e Exemplos no Brasil

No mundo dos negócios, algumas marcas alcançam um nível de reconhecimento tão alto que se tornam notoriamente conhecidas. Essas marcas gozam de uma proteção especial, mesmo que não estejam registradas em todas as classes de produtos ou serviços. Este artigo aborda o conceito de marcas notoriamente conhecidas, a proteção legal conferida a elas no Brasil e exemplos de marcas que se enquadram nessa categoria.

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.