Shein, Shopee, Sinerlog e outras empresas aderem ao programa Remessa Conforme da Receita Federal 

Data:

E-Commerce - Política de Privacidade
Créditos: ipopba / iStock

A Receita Federal está implementando o programa "Remessa Conforme", que oferece isenção de imposto de importação para compras de até US$ 50, aproximadamente R$ 250. Cinco empresas já aderiram a esse programa, com isenções já em vigor em três delas, enquanto as outras duas estão no processo de implementação das mudanças.

As empresas que já oferecem a isenção do imposto de importação em compras até US$ 50 são Shein, Shopee e Sinerlog. Elas modificaram seus sistemas para mostrar a cobrança de impostos apenas em compras que ultrapassem o valor de US$ 50.

E-CAC da Receita FederalEssa iniciativa busca simplificar o processo de compras internacionais para os consumidores e tornar as regras mais claras e transparentes. A isenção de impostos em compras abaixo de US$ 50 é um incentivo para que mais pessoas realizem compras internacionais, especialmente em plataformas online.

O programa "Remessa Conforme" é um exemplo de como a Receita Federal está buscando facilitar o comércio internacional e melhorar a experiência dos consumidores que compram produtos de fora do país.

A adesão não assegura automaticamente a isenção de impostos. As empresas devem atender a determinados critérios para que o governo suspenda a cobrança.

A taxa de imposto de importação é de 60%. É fundamental observar que, independentemente do valor, todas as compras internacionais estão sujeitas à cobrança do ICMS, que é de 17%. A Shein comunicou que irá cobrir esse imposto para os compradores.

Marketplace Aliexpress - Grupo Alibaba
Créditos: bigtunaonline / Depositphotos

A AliExpress anunciou que a isenção tributária entrará em vigor neste domingo (15). A notícia foi divulgada no site da empresa. "Reforçando nosso compromisso de continuar buscando a melhor experiência para os consumidores brasileiros, o Remessa Conforme será implementado no dia 15 de outubro. Os clientes poderão pagar os impostos aplicáveis no momento da compra e desfrutar de descontos extras, além de maior previsibilidade e segurança na entrega", afirma a plataforma.

Como funciona

O programa Remessa Conforme visa conceder isenção do imposto de importação para compras de até US$ 50. Para compras com valores acima desse limite, os sites e aplicativos devem exibir os impostos ao cliente antes da conclusão do pagamento. O imposto de importação é de 60% sobre o valor da compra, e é esse imposto que a isenção abrange.

É importante destacar que, independentemente do valor da compra, o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) é aplicado a todas as compras internacionais. A medida anunciada pela Shein é uma exceção até o momento.

Nas compras internacionais feitas em empresas que não fazem parte do programa Remessa Conforme, os clientes estão sujeitos à cobrança de impostos em compras de qualquer valor. Além do imposto de importação de 60%, o consumidor também deve pagar o ICMS. Anteriormente, cada estado aplicava uma alíquota diferente do ICMS, mas agora a taxa é uniforme, em 17%, para todas as compras internacionais, independentemente do valor.

Para compras que excedam US$ 50, a regra consiste em aplicar uma alíquota de 60% sobre o valor da compra, além do ICMS. Para ilustrar, em uma compra fictícia de US$ 46 com frete de US$ 5, que totaliza US$ 51 sem a cobrança de impostos, quando ultrapassada a marca de US$ 50, o consumidor paga US$ 30,60 a mais de imposto de importação (60% da compra), resultando em um total de US$ 81,60. O ICMS é calculado após o imposto de importação, e a conta é feita "por dentro", ou seja, o imposto é incluído no cálculo do próprio ICMS. Com uma alíquota de 17%, isso se traduz em uma compra final de US$ 98,31, dos quais US$ 16,71 são destinados ao ICMS.

O governo está avaliando a possibilidade de revisar a tributação para compras internacionais de até US$ 50. A proposta do Orçamento de 2024 sugere a implementação de uma alíquota mínima de 20% para compras internacionais de até US$ 50, que são atualmente isentas. No entanto, a decisão sobre o valor específico do imposto de importação federal ainda não foi tomada pela equipe econômica.

Com informações do UOL.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

5ª Edição do International Insolvency Law Conference: um encontro de destaques no campo jurídico internacional

Estão oficialmente abertas as inscrições para a 5ª Edição do International Insolvency Law Conference, um evento imperdível que reunirá profissionais e pesquisadores de destaque no campo da insolvência empresarial. Marcado para os dias 7 e 9 de março, este congresso promete ser um ponto de convergência para diálogos significativos e análises profundas sobre temas cruciais relacionados à recuperação judicial, recuperação extrajudicial e falência, tanto em âmbito nacional quanto internacional.

Dono de imóvel no RN será indenizado por concessionária de energia após danos causados em imóvel após troca de poste

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) e uma empresa contratada por esta foram condenadas a indenizar um consumidor em R$ 25 mil por danos materiais causados durante a troca de postes no município de Caicó-RN. A decisão da 2ª Vara da comarca também determinou o pagamento de R$ 10 mil por danos morais ao proprietário do imóvel, com juros e correção monetária, pela concessionária de energia. Além disso, foi autorizado o levantamento de R$ 2.700,00 em aluguéis.

Procon-SP notifica Uber para explicar política de preços

O Procon-SP emitiu uma notificação nesta sexta-feira (23) para o aplicativo de transporte Uber, solicitando explicações sobre sua política de preços, conhecida como tarifa dinâmica. Nesse sistema, o valor das corridas pode variar com base na demanda, o que pode impactar especialmente em dias com problemas no transporte público, como interrupções no metrô.

UFSC não é responsável por furto de veículo em estacionamento público, decide justiça

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) não será obrigada a indenizar uma ex-funcionária do Hospital Universitário (HU) pelo furto de seu veículo em um estacionamento do campus aberto ao público. A decisão foi tomada pela 5ª Vara Federal de Blumenau, que considerou que, como o local do furto era de acesso público e gratuito, a universidade não tinha o dever de vigilância.