STF analisa impacto da inteligência artificial nas eleições futuras

Data:

STF analisa impacto da inteligência artificial nas eleições futuras | JuristasO advogado e mestre em Direito Econômico, Afrânio Neves de Melo Neto, abordou o papel da inteligência artificial (IA) nas próximas eleições, especialmente no microdirecionamento eleitoral, em sua recente dissertação de mestrado defendida em Brasília. Ele examinou as complexidades e implicações dessa questão, ressaltando oportunidades e riscos associados à evolução tecnológica no processo eleitoral.

Às vésperas das eleições de 2024, Afrânio ressalta o potencial da IA para transformar o processo democrático, melhorando a comunicação das campanhas e envolvendo os eleitores, ao mesmo tempo, em que levanta preocupações sobre manipulação e desinformação.

O "microdirecionamento eleitoral" é apontado como uma prática transformadora, mas potencialmente perigosa, envolvendo o uso de algoritmos para personalizar mensagens políticas. Enquanto isso pode melhorar a comunicação das campanhas, também há o risco de manipulação e indução do comportamento dos eleitores, minando a liberdade de escolha e a informação democrática.

Uma das preocupações mais alarmantes é a proliferação de vídeos e áudios deep fake, que podem distorcer a realidade e disseminar desinformação em grande escala. Isso apresenta um perigo iminente à integridade do processo eleitoral, alimentando a polarização e minando a confiança nas instituições democráticas.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) está atento a essas mudanças, buscando adaptar-se a este novo paradigma e proteger a integridade das eleições. As resoluções eleitorais para 2024 visam mitigar os riscos associados ao uso da IA, assegurando que a tecnologia sirva para fortalecer a democracia.

Afrânio destaca que os potenciais riscos de manipulação de eleitores são uma das preocupações centrais do TSE, ressaltando a importância de regulamentações robustas e conscientização pública.

As mudanças na Resolução nº 23.610/2019 refletem o compromisso do TSE em enfrentar esses desafios, incluindo a proibição de deep fakes e a responsabilização das empresas de tecnologia por conteúdo prejudicial.

Diante desses desafios, Afrânio e o TSE destacam a importância de uma abordagem transparente, ética e regulamentada para garantir que a IA fortaleça, e não ameace, a democracia. A colaboração entre todos os setores da sociedade é essencial para garantir a integridade eleitoral em uma era de inovação tecnológica constante.

Com informações da assessoria.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

1 COMENTÁRIO

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.

Mantida multa de empresa que vendia produtos fora do prazo de validade

A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão da Vara de Viradouro, proferida pela juíza Débora Cristina Fernandes Ananias Alves Ferreira, que negou o pedido de anulação de uma multa aplicada pelo Procon a um estabelecimento comercial. O local foi multado em R$ 20,6 mil por vender produtos fora do prazo de validade.

Plano de saúde custeará exame genético para tratamento de síndrome

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a decisão da 10ª Vara Cível de Campinas, proferida pelo juiz André Pereira de Souza, que determinou que uma operadora de plano de saúde deve autorizar e custear a avaliação genética com pesquisa etiológica para um beneficiário portador da Síndrome de West.

Mantida condenação de mulher por estelionato

A 8ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve a decisão da 21ª Vara Criminal da Capital, proferida pela juíza Luciane Jabur Mouchaloite Figueiredo, que condenou uma mulher por estelionato. A pena foi fixada em dois anos e seis meses de reclusão em regime semiaberto.