STJ reafirma que MP não é obrigado a notificar investigado sobre acordo de não persecução penal

Data:

Superior Tribunal de Justiça - STJ
Créditos: diegograndi / Depositphotos

A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reiterou que o Ministério Público (MP) não é obrigado a notificar o investigado de sua recusa em ingressar com o acordo de não persecução penal (ANPP) por falta de previsão legal.

Para o plenário, se o réu souber da negativa de serviço somente depois de receber a denúncia, isso não o impede de pedir o encaminhamento do processo para o colegiado do Congresso.

O acusado, condenado pelos artigos 309 e 311 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), está substancialmente enquadrado no delito previsto no artigo 330 do Código Penal (CP), e recorreu da sentença, que concluiu que o juiz não poderia ter rejeitado a denúncia apenas porque o MP não o notificou sobre a propositura ou a recusa do ANPP.

Após a segunda instância determinar a manifestação do MP, o órgão disse que os réus não foram notificados porque não compareceram ao Promotoria de Justiça com um advogado ou defensor público para fazer uma oferta de acordo.

Em recurso ao STJ, a defesa argumentou que a rejeição da denúncia seria cabível porque o acusado cumpriu os requisitos legais do acordo no artigo 28-A do Código de Processo Penal (CPP) e, ainda assim, o órgão ministerial não o propôs, sem apresentar a devida motivação para tanto.

Conforme o relator do processo (acordão no REsp 2.024.381) desembargador convocado Jesuíno Rissato, o entendimento adotado no acórdão do tribunal de origem encontra respaldo na jurisprudência do STJ, segundo a qual, por ausência de previsão legal, o Ministério Público não é obrigado a notificar o investigado acerca da propositura do ANPP.

Segundo Rissato a interpretação conjunta do artigo 28-A, parágrafo 14, e artigo 28, ambos do Código de Processo Penal (CPP), a ciência da recusa ministerial pode ser verificada com a citação do acusado, após o recebimento da denúncia.

Com informações do Superior Tribunal de Justiça (STJ)

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Advogado Nelson Wilians recebe condecoração de Cidadão Mato-Grossense nesta terça (20)

O advogado Nelson Wilians, CEO do maior escritório full service do país, recebe o título de cidadão Mato-Grossense nesta terça-feira (20), em homenagem pelo presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Mato Grosso (ALMT), Deputado Eduardo Botelho, e pela Deputada Janaina Riva, em reconhecimento aos 25 anos de seu empreendimento na cidade.

Idoso com deficiência tem direito a desconto na passagem de acompanhante

Uma decisão judicial da 3ª Vara Cível da comarca de Lages destaca a violação de direitos e condena uma companhia aérea e um site de viagens a pagar indenização por danos materiais e morais.

TJSP mantém condenação de tutor de pitbull que atacou prestador de serviços

A 6ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) decidiu manter a sentença da 5ª Vara Cível de Ribeirão Preto, proferida pela juíza Roberta Luchiari Villela, que condenou o tutor de um pitbull que atacou um prestador de serviços a indenizar a vítima. A reparação por danos materiais foi mantida em R$ 7 mil, e o ressarcimento por danos morais foi elevado para R$ 6 mil.

Contrato preliminar não pode ter eficácia maior que o definitivo, define terceira turma do STJ

Para a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), não é admissível conferir maior eficácia jurídica ao contrato preliminar do que ao definitivo, especialmente quando as partes, neste último, estabelecem obrigações opostas às assumidas anteriormente e contradizem os termos da proposta original.